Teólogo acusa Papa de omitir situação da igreja

















O teólogo e dissidente religioso suíço Hans Küng criticou o papa Bento XVI (foto) por “esconder a situação de emergência” da Igreja Católica, que “se encontra doente do sistema romano” e comparado o pontífice com Vladimir Putin, o primeiro-ministro russo.
“A vida eclesiástica colapsou em nível de paróquia”, afirma Küng por ocasião da visita do papa à Alemanha em entrevista adiantada neste domingo pela revista “Der Spiegel”.
O teólogo suíço, ao qual o Vaticano retirou em1979 alicença para ensinar teologia católica, considera que “a hierarquia eclesiástica não teve até agora a coragem de admitir sinceramente e às claras a realidade da situação”.
Professor emérito da Universidade de Tübingen, no sul da Alemanha, Küng afirma que as imagens dos grandes atos protagonizados pelo papa não fazem mas do que mostrar de maneira enganosa uma igreja poderosa.
“Enquanto isso se sabe que esses atos não fornecem praticamente nada às paróquias”, comenta o teólogo, que no passado trabalhou estreitamente com Joseph Ratzinger, o atual Bento XVI.
Além disso, critica o papa por cultivar “um culto pessoal sem igual, que se encontra em contradição com o que pode ser lido no Novo Testamento”.
Por isso explica que existem “similitudes estruturais e políticas” entre o primeiro-ministro russo e a política de restauração dos papas na Santa Sé depois do Concílio Vaticano II, que na realidade conduziu a uma renovação do entendimento ecumênico.
Fonte: Exame

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.