Quando o sexo se torna um ritual demoníaco


















1Co 6.12: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma”

Práticas, como sexo, comida e roupas, não são lícitas ou ilícitas por si mesmas, mas nem sempre as utilizamos corretamente. O mal não está nas coisas, mas em nós, no modo… como as usamos, ou como somos induzidos a usar. O sexo não foi criado pelo diabo, foi obra divina e foi Ele quem estabeleceu a maneira mais correta para a sua prática (Leia mais em 1Co 10.23).

1Coríntios 6.15,16,17: Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo, e fá-los-ei membros de uma meretriz? Não, por certo.

Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne. Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito.

A batalha enfrentada pelos cristãos durará todo o tempo de uma vida. Assim, o Diabo não tem pressa nos combates. Ele consegue, com o tempo que dispõe minar lenta e calmamente nossa conduta e defesas, promovendo a mistura e as pequenas alianças do sagrado com o profano. Foi assim com o Israel recém instalado na Terra Prometida, até que toda uma nação foi devastada pelas invasões que levaram o povo ao cativeiro. O motivo? Alianças e associações com pessoas sem compromisso com Deus e sua verdade.

Pequenos hábitos, rápidas escapadelas e atividades furtivas profanam o corpo que um dia foi feito templo do Espírito. É preciso reavaliar nossa vida periodicamente e a Igreja dispõe de um sacramento para isso: a Santa Ceia do Senhor é um evento de reflexão sobre nossa vida e nossas atividades profissionais, sociais e espirituais. Veja ainda Rm 6.12-14.

1Co 6.15: Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo, e fá-los-ei membros de uma meretriz? Não, por certo.

No momento em que dois corpos se unem através da relação sexual, ocorre algo mais… do que uma simples troca de fluidos. Há intercâmbio emocional, risco de infecção, aliança física e influência espiritual. Os dois tornam-se uma só carne, e se a relação ocorrer em meio a um ato pecaminoso, cria-se no parceiro sexual, um ponto de contato capaz de facilitar a entrada de demônios. Um cônjuge adúltero traz para dentro de casa não apenas o risco de doenças, mas também de contaminação espiritual.

1Co 6.17-18: “Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito. Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.

Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?”.

A prática ilícita do sexo é o mesmo que entregar uma parte do corpo de Jesus para satisfazer um impulso carnal e egoísta. Puro impulso animal. Nosso corpo não nos pertence, existe, prioritariamente, para satisfazer os desejos de seu dono, Jesus. Quando você se torna uma só carne com outra pessoa, há uma troca de influências espirituais. Os demônios que estão nela estão também em você, pois agora são uma só carne, o que explica o empenho de satanistas para seduzir líderes religiosos. Sua intenção é contaminá-los e torná-los vulneráveis.

Pecar contra o seu próprio corpo, significa prejudicar a casa de Deus, que somos nós e estender esta contaminação para o cônjuge (Complementa em 1Tm4.6).

Muitas religiões de mistério ainda possuem sacerdotisas sexuais. O papel delas é usar o seu corpo como um templo através do qual as pessoas entram em contado com as entidades que as dominam.

Este era o motivo pelo qual Paulo não permitia que as mulheres falassem na Igreja. Ele não queria que os visitantes confundissem as irmãs com as sacerdotisas do templo de Diana e de Artemis.

1Co 7.4,5: A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher.

Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência.

O sexo no casamento é uma doação mútua, onde ambos desejam satisfazer o outro, suprindo e satisfazendo-se mutuamente. O prazer durante o ato sexual é perfeitamente lícito, desde que dentro do casamento. A incontinência sexual prolongada pode nos tornar vulneráveis a tentações. Talvez isto sirva de alerta para quem demora a casar, pois permanece exposto por mais tempo (Complementa em Os 7.4).

Ubirajara Crespo

Guiame / Portal Padom

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.