Carlos Bolsonaro desmascara BBB Jean Wyllys POSTED BY ELISEU ANTONIO GOMES - TERÇA-FEIRA, ABRIL 23, 2013



Novas eleições se aproximam. Escolha em que votar sem se deixar levar por promessas de campanhas. Analise os candidatos pelo passado deles. Neste post, uma amostragem para você não pecar na hora de oferecer seus votos. Anote nomes.


Em sessão ordinária ocorrida em 27 de março de 2013, em discurso na tribuna da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro - o parlamentar mais assídio daquela Casa de Leis - trouxe informações ao Brasil relacionadas, e diretamente, sobre o ex-BBB Jean Wyllys, fatos que a Imprensa brasileira não parece capaz de fazer circular.

No início do pronunciamento, o parlamentar diz ser redundante descrever Wyllys como político que não representa o povo do Rio de  Janeiro, apresenta-o como pessoa arrogante, alguém que age como se fosse o dono da verdade e é exímio crítico da Bíblia, pois tais características são quesitos para quem queira fazer parte de alguns partidos políticos brasileiros (no caso em questão, o PSOL).

Bolsonaro discorre lembrando que Wyllys foi eleito com baixo número de votos, apenas 13 mil, chegou ao parlamento federal graças ao impulso de votos arrecadados por Chico Alencar. Isto é, a "arapuca" do quociente eleitoral: o BBB saiu dos holofotes dos estúdios da Globo e entrou no Salão Nobre da Câmara dos Deputados sem atingir a meta necessária. Recebeu o menor número de votos no Rio de Janeiro (0,2% dos votos válidos). Foi a menor quantidade de votos em eleições no Rio de Janeiro que um candidato ao cargo de deputado federal já atingiu até os dias de hoje.

Bolsonaro revela que Jean Wyllys possui processo por causar humilhação em alunos enquanto professor em universidade na Bahia. Presidiu seminário LGBT juvenil/infantil na Câmara dos Deputados, ocasião em que um dos palestrantes aprogoou "se uma criança quiser brincar com o órgão sexual de outra criança, deixe-a brincar em paz". Durante a elaboração do Plano Nacional de Direitos Humanos, em comissão sob a presidência de Wyllys, um travesti se manifestou dizendo que suas melhores professoras foram as prostitutas. 

O parlamentar apresenta parte de agressões verbais e ameaças de morte contra ele e o pai Jair Bolsonaro, recebidas em redes sociais, indica como responsáveis a comunidade LGBT que afirma militar em favor dos direitos humanos, e diz que nem todos os conteúdos são publicáveis.

Bolsonaro revela que em 2012 o grupo LGBT recebeu por intermédio de Chico Alencar na Comissão de Direitos Humanos e Minorias 11 milhões de reais dos cofres públicos. E considera que os militantes das causas gays são lobos em peles de cordeiro.

Assista ao vídeo:






  
E.A.G.

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.