Terroristas iludem crianças com ‘doces’ para que elas se tornem ‘homem-bomba’


APENAS ILUSTRATIVA.

Uma investigação irrefutável do Canal 4 da televisão britânica revelou que os insurgentes talibaneses no Afeganistão estão persuadindo as crianças famintas, com doces e guloseimas com o objetivo de ganhar sua confiança e logo instruí-las para semear armadilhas mortais nas estradas, servindo como iscas em emboscadas e até mesmo fazê-las a agir como terroristas suicidas como homem bomba.
O canal 4, pegou o testemunho do órfão Neaz, que contou que tinha 8 anos quando combatentes talibaneses lhe prometeram um punhado de moedas para lutar pela sua causa. O menino estava cuidando das ovelhas de seu pai, quando as forças de coalizão bombardearam sua aldeia.
“Os talibaneses estavam escondido em nossa casa, quando um helicóptero veio e nos bombardeou. Meu pai foi ferido no coração e sua cabeça foi despedaçada. A minha mãe foi atingida no peito por um projétil e morreu. Eu não tinha ninguém”.
Imediatamente após o taque, Neaz foi sequestrado por lideres talibaneses e levado para uma cidade vizinha, onde lhe ensinaram como usar armas e fabricar dispositivos explosivos improvisados. O pagavam com doces e ele estava ficando encantado no principio, até que lhe trouxeram um presente especial: um colete suicida cheio de balas e granadas. “Fizeram-me prova-lo. As granadas foram colocadas ao redor de meu corpo e logo me ofereceram um monte de moedas que totalizavam 50 afegãos (equivalentes a um dólar). Disseram-me para que eu me explodisse em um posto de controle. Eu perguntei o que faria com o dinheiro se tivesse explodir a mim mesmo. Mas eles continuavam me incentivando, dizendo que seu eu fizesse iria para o céu“.
Tomando consciência, apesar da franqueza de sua própria idade, os extremistas pretendiam que ele fizesse Neaz agarrando-se a um instinto natural de sobrevivência, escapou e correu nove milhas para  entregar-se em uma delegacia. O pré-adolescente Neaz, que tem 12 anos, vive em um orfanato em Laskar Gah.
Outras crianças afegãs não tiveram a mesma sorte. Segundo publicou o Dailymail, há 224 crianças nas prisões de Helmand e Ghazni, presos pelas forças do governo, sob a acusação de planejar e executar ataques. O premiado jornalista e cineasta afegão Najibullah Quraishi disse: “Milhares de crianças estão sendo recrutadas e ensinadas a fazer bombas ou tornar-se homem-bomba. É com que aos 13 anos de idade levem armas. Menos de dez porcento da população esta educada, para eles as crianças são donas de suas próprias mentes, eles apenas conhecem o que os mulás (versados no Alcorão) dizem em suas mesquitas”.
Talibaneses capturados no orfanato
Najibullah obteve a soma sem precedentes de 500.000 libras esterlinas para a construção da prisão britânica em Helmand, onde as celas alojam cada uma, 20 meninos. Um deles, Hannan, tinha 12 anos de idade quando se uniu aos talibaneses após a morte de seu pai em um ataque aéreo dos EUA.
“Meu pai estava no Taliban. Quando usava uma granada propulsada por foguete, e eu perguntava como funcionava. Assim foi como ele me ensinou.” Depois de um ano o jovem criou sua própria celula militar com cinco amigos com a finalidade de montar emboscadas à noite nas estradas remotas. Foi durante desses ataques que foi preso, e até o momento tem estado  dois anos na prisão de Helmand.
Hannan, que agora tem 15 anos disse: “Eu não estou procurando vingança por meu pai, eu quero fazer o Jihad por amor a Alá. Está escrito no Alcorão que é permitido matar os infiéis iguais matar um cão”. A esse respeito Najibullah comentou: “Me senti muito triste ao escutar Hannan e outros como ele. Eles já são homens perigosos. Quando sair da prisão vão ser contratados para outras campanhas. São lutadores determinados”.
Como o Hamms governa em Gaza e capacita as crianças e adolescentes para executar atos terroristas, o Talibã menospreza a UNICEF e suas recomendações para que os governos tomem  medidas adequadas para por fim a violação dos direitos da crianças. Mesmo assim, perversamente ignora o Protocolo Facultativo da Convenção sobre os Direitos das Crianças relativo a Participação de Crianças em Conflitos Armados. O mesmo estabelece os 18 anos como idade mínima para o recrutamento obrigatório por parte dos governos, a participação direta em hostilidades ao alistamento por grupos armados. Os estados podem aceitar voluntários desde o 16 anos, mas devem depositar uma declaração vinculativa ao ratificar o Protocolo ou adesão ao mesmo, estabelecendo a idade mínima de recrutamento voluntario e expondo algumas salvaguardas.

Portal Padom

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.