“A teologia da prosperidade está machucando a África”, diz missionário no continente, que lamenta distorções no Evangelho



A teologia da prosperidade está ferindo a África. Essa é a constatação do missionário J. Lee Grady, que trabalha no continente através da organização The Mordecai Project.Grady é ex-editor do portal cristão de notícias Charisma News e vem se dedicando ao trabalho missionário na África há alguns anos. Em seu artigo, ele afirma que a teologia da prosperidade é “uma das maiores ameaças à fé no continente”.“Eu sei que a origem desta mensagem é pregada nos Estados Unidos, e eu sei que nós somos os únicos que a exportaram para o exterior. Não estou minimizando os danos que a pregação da prosperidade tem feito em meu próprio país. Mas eu testemunhei como alguns cristãos africanos estão tomando esta mensagem com foco no dinheiro”, disse o missionário, demonstrando preocupação com os extremos.De acordo com o artigo escrito por J. Lee Grady, a teologia da prosperidade na África mistura o cristianismo com o ocultismo: “Um pastor enterrou um animal vivo sob o piso de sua igreja para ganhar o favor de Deus. Outro pediu a seus fiéis para trazer garrafas de areia para a igreja para que ele pudesse ungi-las, então ele disse às pessoas para polvilhar a areia em suas casas para trazer bênçãos. As pessoas que seguem esses charlatões são lembrados de que a sua colheita prometida não se concretizará, a menos que eles façam grandes doações”, relatou.O evangelho pregado a partir da teologia da prosperidade “alimenta a ganância”, diz Grady, que complementa: “Qualquer pessoa que conhece a Cristo vai aprender a alegria de dar aos outros. Mas o evangelho da prosperidade ensina as pessoas a se concentrar em obter, não dar. Na sua essência, é uma fé egoísta e materialista, com um fino verniz cristão. Os membros da Igreja são constantemente convidados a semear para colher as recompensas financeiras cada vez maiores. Na África, conferências inteiras são dedicadas à coleta de ofertas, a fim de alcançar a riqueza. Pregadores se gabam sobre o quanto eles pagaram em ternos, sapatos, colares e relógios. Eles dizem a seus seguidores que a espiritualidade é medida pelo fato de que eles têm uma casa grande ou um bilhete de primeira classe. Quando a ganância é pregada no púlpito, se espalha como um câncer na casa de Deus”, lamentou.Outro ponto prejudicial destacado no artigo é o orgulho. Segundo J. Lee Grady, a teologia da prosperidade “deu origem a um estilo deformado da liderança”.
“Eles plantam igrejas não porque eles têm sede de alcançar as almas perdidas, mas porque eles vêem cifrões quando preenchem um auditório com cadeiras. A mensagem egoísta produz líderes oportunistas que precisam de posição, aplausos e muitas vantagens para mantê-los felizes. O pregador da prosperidade mais bem sucedido é o mais perigoso porque ele pode convencer a multidão de que Jesus morreu para dar a você e a mim um carro importado”, criticou o missionário.Uma das essências do cristianismo, a formação de um caráter segundo o caráter de Deus, vem sendo deixada de lado nas igrejas africanas que adotaram a teologia da prosperidade: “[Essa pregação] é uma imitação pobre do evangelho, porque não deixa espaço para a fragilidade, o sofrimento, a humildade ou atraso. Ele oferece um atalho ilegal. Os pregadores da prosperidade prometem resultados imediatos e durante a noite de sucesso , se você não receber o seu avanço, é porque você não deu dinheiro suficiente na oferta. Jesus chama-nos a negarmos a nós mesmos e segui-Lo; A pregação da prosperidade nos chama a negar Jesus e seguir as nossas concupiscências materialistas. Há uma crise de liderança na igreja africana porque muitos pastores estão tão empenhados em ficar ricos, que eles não acompanhar o processo de discipulado, que exige abnegação”.Por fim, Grady conclui com uma estatística lamentável que depõe fortemente contra a teologia da prosperidade. Segundo ele, esse tipo de pregação torna os fiéis ainda mais pobres: “Igrejas têm crescido rapidamente em muitas partes da África de hoje, mas a África Subsaariana é a única região do mundo onde a pobreza aumentou nos últimos 25 anos. Assim, de acordo com as estatísticas, o evangelho da prosperidade não está trazendo prosperidade! É uma mensagem errada, mas acredito que Deus vai usar os líderes africanos quebrantados e abnegados para corrigir isso”.

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.