Cristão é condenado a prisão perpétua pela morte de muçulmano; Confronto ceifou a vida de seis cristãos, mas ninguém foi preso





A instabilidade social no Egito por conta dos atos de intolerância de muçulmanos contra cristãos provocou mais um incidente grave no país que levou à condenação de três cristãos.
Um confronto recente entre os dois grupos resultou na morte de seis cristãos e um muçulmano, e os acusados de matarem o homem muçulmano foram julgados e condenados por um tribunal penal da capital do país, Cairo. De acordo com informações da agência de notícias Reuters, ninguém foi preso ou condenado pelas mortes dos cristãos.
O advogado de defesa dos acusados da morte do muçulmano disse que as autoridades não conseguiram identificar os suspeitos da morte dos cristãos porque as testemunhas se recusavam a cooperar com as investigações  por medo de retaliação.
A condenação dos três cristãos foi dividida em partes. Um deles, Hani Awad Farouk, foi sentenciado à prisão perpétua, e os outros dois, pegaram 15 anos de pena cada um.
A crise social do Egito começou com a deposição do presidente Mohamed Morsi, o primeiro eleito democraticamente na história do país, e favorável às leis que previam privilégios à maioria muçulmana. Desde que os militares o retiraram do poder, uma onda de ataques a igrejas e empresas de cristãos resultou em mortes e na condenação de nove muçulmanos por vandalismo.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.