Ex-goleiro Bruno é condenado a 22 anos e 3 meses de prisão; Juíza considerou como “diabólica” a trama para matar Eliza Samúdio








O ex-goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes, foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão pela morte de Eliza Samúdio e ocultação de seu cadáver, e também pelo sequestro e cárcere privado do filho, Bruninho.
A soma total da pena é o resultado da condenação a 17 anos e 6 meses em regime fechado por homicídio triplamente qualificado (quando o crime é cometido por motivo torpe, além de asfixia e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima), e a outros 3 anos e 3 meses em regime aberto por sequestro e cárcere privado. A ocultação do cadáver rendeu mais 1 ano e 6 meses de pena, que foi aumentada porque o goleiro foi considerado o mandante do crime, e depois reduzida devido a confissão do jogador.


A juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues considerou que Bruno não tem noção da realidade e dos valores da sociedade, e classificou o planejamento dos crimes como maligno: “A culpabilidade dos crimes é intensa e altamente reprovável. Hoje a sociedade de Contagem reconheceu o envolvimento do réu nesta trama diabólica. Agiu (o réu) de forma dissimulada da sua real intenção. Bruno acreditou, ao sumir com o corpo, que a impunidade seria certa. O réu é uma pessoa fria e violenta. O réu tem incutido na sua personalidade uma total incompreensão dos valores. A execução do homicídio foi meticulosamente calculada – disse a juíza, enquanto lia a sentença, segundo informações do Lancenet.
O advogado do jogador, Lúcio Adolfo, afirmou que recorrerá da condenação por considerá-la injusta. Já o promotor do caso, Henry Wagner Vasconcelos de Castro, disse que recorrerá pedindo aumento da pena, pois no seu modo de ver, o goleiro deveria ter sido condenado ao menos a 28 anos de prisão, segundo o G1.
A ex-mulher do goleiro, Dayanne Rodrigues, foi absolvida da acusação de sequestro e cárcere privado do filho de Bruno e Eliza.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Com gritos e até tentativas de agressão, ativistas protestam contra o pastor Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos








Nessa quarta feira (06), a sessão na Câmara dos Deputados que elegeria o deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) para o comando da Comissão de Direitos Humanos teve que ser adiada devido a uma série de protestos contra o parlamentar evangélico.
Liderados por militantes dos direitos dos gays, os protestos tumultuaram a eleição e obrigaram o presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), a convocar uma nova sessão para esta quinta-feira (07).
- Os parlamentares que forem contrários podem se ausentar ou votar contra, mas não realizar o que foi realizado. A democracia exige ordem. É uma indicação que tem que ser respeitada. Assim, nós faremos amanhã [quinta], às 9h, reunião para eleger o presidente da comissão. – afirmou Alves.
Em seu Twitter, Feliciano comentou sobre o caso, e ressaltou ter sido agredido pelos militantes que se opõem à indicação de seu nome à presidência da pasta.
- Sessão interrompida após tumulto do ativismo gay. Com lágrimas nos olhos Dep. Marco Feliciano é escoltado por seguranças e quase agredido por ativistas, após sessão ser cancelada – publicou a assessoria de imprensa do deputado.
O tumulto gerado pelos militantes levou a bancada evangélica da Câmara a pedir que a segurança ao parlamentar fosse reforçada nessa quinta feira. André Moura pediu que a nova reunião fosse restrita a parlamentares e assessores, sem o acesso do público. Segundo o líder da bancada evangélica, deputado João Campos (PSDB-GO), isso é necessário para que a escolha seja feita “sem a torcida de um lado ou de outro”.
Segundo o estudante de jornalismo Fellype Sales, que estava presente no local, “a polícia da câmara teve que entrar em cena e imobilizar um dos manifestantes que iniciou a agressão física contra a segurança do pastor”.
- Que tipo de movimentos sociais são estes que defendem as minorias (qualquer que sejam) e por um instante se sentem como Deus, sentados em um trono podendo agredir de forma tão bruta outro ser humano?! – questionou Sales.
Apesar dos protestos, o líder do PSC afirmou que a candidatura de Feliciano não será retirada para atender aos apelos dos militantes ligados à bandeira de direitos humanos.
-Está mantida a candidatura do deputado Marco Feliciano. É uma decisão da bancada, do partido. Ele é de nossa inteira confiança. Ele está sendo julgado de forma antecipada. O fato de ele defender determinadas bandeiras não significa que ele, como presidente da comissão, vá trabalhar de forma tendenciosa – enfatizou.
Em resposta ao protesto, o PSC divulgou uma nota em sua página no Facebook afirmando que seus parlamentares “não vão ceder à pressão de alguns ativistas extremados que querem impedir um ato democrático” e que, portanto, manterá a indicação do pastor à Comissão.
Assista ao vídeo do momento em que um manifestante tenta passar pelos seguranças que protegiam Feliciano:



Leia na íntegra a nota do PSC:
Partido Social Cristão, como o próprio slogan diz, tem “o ser humano em primeiro lugar”. Não segrega, não exclui e nem discrimina ninguém, independente de opção sexual, raça ou credo. Portanto, como um partido que se baseia nos princípios cristãos, o PSC não é racista e homofóbico, e reitera que, de forma alguma, compactua com o preconceito a qualquer classe ou minoria existente.
O PSC tem atualmente uma bancada composta por 17 deputados federais democraticamente eleitos e que possuem o direito, pelo princípio da proporcionalidade, de indicar o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Diante disso, a bancada do partido decidiu, por unanimidade, indicar o deputado Pastor Marco Feliciano (SP) para assumir a função.
O líder André Moura (SE) e toda a bancada do PSC acreditam que o deputado Marco Feliciano, eleito com 211 mil votos pelo Estado de São Paulo, tem total legitimidade para estar à frente da comissão. O compromisso do partido é que Feliciano, enquanto presidente, vai agir com postura de magistrado, permitindo amplo debate, a liberdade de expressão e ouvindo todas as minorias.
Os parlamentares do PSC não vão ceder à pressão de alguns ativistas extremados que querem impedir um ato democrático, que é o de um deputado eleito assumir uma comissão da Câmara. Como o próprio presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves, afirmou “não cabe discussão sobre a indicação do PSC para ocupar o cargo, e deve ser garantido o direito dos deputados de elegerem o presidente da comissão”.
Por Dan Martins, para o Gospel+


O que o céu está lhe dizendo? _ Estudos Bíblicos









Quando o médico que examinou o tremor na minha mão disse, “Você está bem. Você está com boa saúde” – eu fiz o que você poderia esperar. Eu comecei a chorar e perguntei, “Quanto tempo me resta?”
O médico levantou a cabeça, intrigado. Espere um minuto, você está pensando! Você não ouviu o que o médico lhe disse? E eu me pergunto – você não ouviu o que o céu lhe disse?
Essa resposta ao meu médico? Eu a inventei. Na verdade, eu fiquei eufórico. E quando vejo esse polegar balançar, eu credito isso a um corpo envelhecido e coloco a minha confiança nas palavras do médico.
Você deveria fazer o mesmo. Pois assim como o meu polegar tremerá ocasionalmente, você pecará ocasionalmente. E quando o fizer, lembre-se que o pecado pode tocar em você, mas ele não pode reivindicá-lo. Cristo está em você! Confie na obra dele por você. Confie na obra dele em você. O seu coração é a casa dele, e ele é o seu senhor!
“Se alguém me ama, obedecerá à minha palavra. Meu Pai o amará, nós viremos a ele e faremos morada nele” João 14:23.
Autor: Max Lucado
Fonte: Irmãos

“Deus está no controle”, afirma noiva do goleiro Bruno sobre resultado do julgamento do caso Eliza Samudio










Ontem, o ex-goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes, acusado de mandar matar a mãe de seu filho, Eliza Samudio, chorou e permaneceu abatido e de cabeça baixa durante toda a sessão do julgamento em que é réu.
Diferente de Bruno, sua noiva, Ingrid Calheiros, mostrou tranquilidade ao chegar ao Fórum de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, e afirmou à imprensa que acredita que Deus está no controle do julgamento.
Segundo informações do R7, a jovem chegou ao local do julgamento caminhando em passos rápidos, e disse apenas poucas palavras, colocando o resultado do julgamento de Bruno nas mãos de Deus.
- Deus “tá” no controle – afirmou a noiva do ex-atleta, que chegou a ser flagrada dando risadas enquanto conversava com uma outra mulher, sentada em uma cadeira do lado de fora do salão do júri.
Quem também citou Deus a falar sobre o caso, foi Sônia Moura, mãe de Eliza Samudio. Nessa terça feira, Sônia chegou ao tribunal e falou rapidamente à imprensa. Duvidando da real intenção por traz do choro de Bruno, que ontem se mostrou emocionado ao ler a Bíblia no Fórum, ela afirmou que o poder de perdoar o suposto mandante do assassinato de sua filha não está em suas mãos, mas nas mãos de Deus,
- O choro dele não é verdadeiro, ele não é verdadeiro. Quem tem que perdoar é Deus, não sou eu – afirmou a mãe de Eliza Samudio.
Nessa terça feira, o julgamento de Bruno foi marcado também pelas palavras de sua prima, Célia Rosa Sales, que é uma das testemunhas do caso e revelou quais teriam sido as últimas palavras do ex-goleiro à sua amante.
Segundo o relato de Célia, Bruno teria dito “vai com Deus” ao se despedir da modelo, que deixou o filho, Bruninho, para trás ao deixar o sítio do ex-jogador com Elenilson Vítor Silva e Jorge Rosa Sales, primo do atleta.
Por Dan Martins, para o Gospel+

Padre se irrita com questionamentos, expulsa menina de onze anos e sugere que ela frequente igreja evangélica








Questionar lideranças religiosas não é algo comum, e quando acontece, questões simples viram polêmica. Um padre expulsou uma coroinha de sua paróquia e a mandou procurar uma igreja evangélica, por não gostar de seus questionamentos.
A confusão ocorreu em São José das Palmeiras, durante um encontro de coroinhas, quando a menina de onze anos perguntou ao padre o motivo da exigência de estar presente em todas as reuniões de catequese e também nas posteriores, voltadas a grupos que são divididos por faixas etárias.
Segundo informações do telejornal RPC TV, o padre ficou incomodado com o questionamento da garota, alterou o tom de voz e disse que não a queria mais nos encontros, pois com aquele comportamento, nem Deus a queria mais, e finalizou dizendo que ela deveria procurar uma igreja evangélica.
A mãe da menina afirmou que sua filha participa das reuniões desde os quatro anos de idade, e que estava “desesperada”. Rosane Bruno afirmou que o padre exagerou e será processado: “Eu quero justiça para ela, porque, agora, ela está impedida de ir na igreja, coisa que ela gosta, ela está impedida de frequentar a catequese e o que vai ser dela. E se ele fizer isso com outras crianças?”, questionou.
A coordenadora dos coroinhas Sandra Menon afirmou à reportagem que a discussão começou após a menina não concordar com os termos e imposições feitas ao grupo: “Ela questionou o padre. ‘Por que tem que ir tanto na igreja?’ [...] E ela ainda dialogou: ‘padre, mas assim a gente não vai sair da igreja’. Daí começou. Ela começou a alterar a voz, o padre começou a alterar a voz com ela. E nesse altera voz, ele [padre] falou que não aceitaria ela mais como coroinha na igreja. [O padre falou] ‘Você não precisa vim mais nem na catequese nem participar de movimento nenhum e nem na igreja porque nem Deus te quer assim. Pode ir para uma igreja evangélica’”, relatou Sandra.
O bispo responsável pela igreja, dom Dirceu Vegine, afirmou que irá conversar com a família e depois fará um pronunciamento a respeito do ocorrido, de acordo com informações do G1.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Coração do Pai: no Amazonas, missionário funda abrigo para crianças indígenas abandonadas








O Coração do Pai é um abrigo para crianças indígenas em Manaus, fundado pelo missionário norte-americano Barry Hall há nove meses.
O abrigo é uma parceria entre o missionário, que cedeu sua residência, e o Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas (Complei).
O Coração do Pai é o único abrigo especializado para crianças indígenas em todo o Brasil, e atende atualmente 13 crianças de diversas etnias. Há a previsão de que a capacidade do Coração do Pai seja aumentada em breve.
Barry Hall desenvolve missões no interior do Amazonas há 25 anos, e a ideia do abrigo surgiu de sua experiência com as tribos. Em entrevista ao G1, Hall conta que os índios, por diversas razões sociais e culturais, rejeitam algumas crianças: “Algumas etnias condenam filhos de mãe solteira, gêmeos ou trigêmeos, resultados de estupro, incesto ou infidelidade. O Complei quer oferecer uma alternativa e uma solução que respeite a liderança de cada etnia. Ao nos entregar a criança, o cacique fica satisfeito, porque ela saiu da aldeia, os pais ficam aliviados e o bebê ganha vida e um lar”, contextualiza o missionário.
Segundo Barry Hall, que conta com a ajuda de sua esposa, Vânia, na administração do Coração do Pai, até 350 etnias podem ser beneficiadas pelo abrigo, desde que uma melhor estrutura funcional e de pessoal seja montada: “Precisamos de uma pessoa à frente em cada região para que as crianças consigam vir até nós. Há um desafio, nos locais mais distantes, de manter esse bebê vivo e cuidar dele enquanto não chegamos lá”, explicou.
O abrigo recebe também bebês não-indígenas e até crianças com maior idade, como um garoto de sete anos, que está na casa. A escolha por priorizar indígenas foi tomada como forma de se especializar num serviço: “Muita gente acredita que ter um local para crianças indígenas é discriminação, mas, na verdade, só estamos nos especializando para fazer um trabalho melhor. Aceitamos não-indígenas quando podemos instalá-los e, quando tivermos um espaço maior, queremos aumentar também o número de vagas”, disse.
As pessoas que trabalham no abrigo são de origem indígena, com exceção do missionário e sua esposa. Durante sete anos, eles trabalharam com tribos no Vale do Javari, mas perante a necessidade de estudo de seus cinco filhos, tiveram que voltar a Manaus, e para não abandonar seu trabalho com índios, decidiram montar o abrigo: “Queríamos levar uma professora para a aldeia, mas não conseguimos. Foi difícil abrir mão e sair de lá, mas agora temos o abrigo, que é nossa maneira de ajudá-los. Não tem ninguém para fazer esse serviço com a ONG e salvar a vida dessas crianças”, testemunhou Barry Hall, que confessou criar um vínculo com as crianças: “Quando um é adotado, choramos bastante! É uma família”.
barry hallO Coração do Pai conta com ajuda especializada de pediatras, assistentes sociais, psicólogos e nutricionistas: “Tivemos uma que nasceu com seis meses de gestação e foi abandonada três dias antes de vir para cá. Por ser bem frágil, ela precisou de atenção especial da pediatra, que vem aqui duas ou até três vezes na semana. Esse prematuro já está com quase o triplo do peso com o qual chegou”, exemplificou Hall.
O ensino cristão também faz parte do trabalho do abrigo, disse o missionário: “Oramos todos os dias, não só para pedir, mas para agradecer. Cada vez que conseguimos pagar as contas do abrigo, é um milagre”, disse, lembrando que o Coração do Pai é mantido por doações e recebe itens básicos do dia a dia das crianças como fraldas, leite, lenço umedecido, berços e cercadinhos. “Também precisamos de alimentos e, mais do que tudo, ajuda financeira para pagar aluguel, água, luz e os nossos seis funcionários”, disse.
Segundo o G1, o abrigo Coração do Pai fica localizado na rua D-14, casa 113, bairro Japiim, Zona Sul de Manaus.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Justiça confirma condenação a pastor preso por ajudar mãe a afastar sua filha de ex-parceira lésbica










A justiça norte americana confirmou uma pena de 27 meses de prisão a um pastor menonita condenado por ajudar uma mulher que frequentava sua congregação a fugir do país para impedir que sua ex-companheira tivesse acesso a sua filha. De acordo com o WND Faith, essa foi a última reviravolta em um dos casos envolvendo a custódia de crianças mais comentados da era moderna.
Em agosto passado, o pastor Kenneth Miller, da Stuarts Draft, em Virgínia, foi condenado em um tribunal de Vermont sob a acusação de ajudar “um sequestro parental internacional”. O pastor admitiu que ajudou Lisa Miller (nenhuma relação com o pastor) e sua filha, Isabella, a deixar os EUA em 2009.
Segundo o jornalista David Kupelian, depois de abuso na infância, Lisa Miller passou a levar uma vida disfuncional de vícios e homossexualidade, até que ela experimentou uma mudança de coração e, convertida ao cristianismo e deixou o estilo de vida homossexual, em que ela havia vivido como “cônjuge” a outra mulher lésbica, Janet Jenkins. Durante a união, Miller tinha dado à luz uma filha, Isabella, concebida por meio de inseminação artificial.
De acordo com especialistas que observaram a menina, ela começou a apresentar sinais de trauma emocional, depois que o tribunal concedeu a Jenkins o direito de fazer visitas a ela. Essa mudança de comportamento teria motivado Lisa Miller a retirar sua filha do país, para que ela não tivesse mais contato com Jenkins.
Um terapeuta clínico testemunhou no caso afirmando que Isabella apareceu “traumatizada” por causa das visitas de Jenkins, e que as “visitas sem supervisão … poderiam causar dano permanente ao desenvolvimento normal” da criança. Uma assistente social testemunhou ainda que a menina “sofre de distúrbios do sono e pesadelos, tendo dificuldade em dormir durante a noite”, acrescentando que “Isabella também fala sobre morte, e expressou o medo de que, se sua mãe Lisa morresse, ela iria estar em risco. Isabella disse que ela tem medo de que Janet Jenkins pode tirá-la de Lisa”.
O pastor Kenneth Miller comentou sobre sua condenação em uma carta de quatro páginas que escreveu ao juiz federal que o condenou.
- Se é verdade que as minhas ações fluíram da minha fé em Jesus, e de minhas crenças morais, e eu sinceramente acho que eles sim, então qualquer julgamento está sendo movido contra mim pelos Estados Unidos da América, é um julgamento sobre a minha fé e consciência e crenças morais. … Eu estava diante de uma mulher em perigo, que precisava de ajuda para proteger sua filha do que parecia ser um decreto judicial desumano – declarou o pastor.
Por Dan Martins, para o Gospel+

É oficial: pastor Marco Feliciano é o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara









O pastor Marco Feliciano foi confirmado pelo PSC como seu candidato à presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.
Como há um consenso entre os partidos da base aliada do governo, a votação segue apenas como uma formalidade, e o indicado do partido é o virtual eleito, fato que se confirmará na votação, que acontecerá nesta quarta-feira, 06 de março, às 14h00.
Minutos antes da coletiva de imprensa do partido para o anúncio do nome do candidato, o próprio Feliciano usou seu perfil no Twitter para publicar um link de seu site onde seria transmitido o anúncio.
No último dia 28 de fevereiro, o PSC publicou em seu site uma nota onde afirmava que seu indicado seria um parlamentar que já atuasse na comissão e que defendesse o ponto de vista do partido: “Após dois anos à frente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, neste ano de 2013, o Partido Social Cristão (PSC) escolheu assumir a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias. O líder do PSC, deputado André Moura (SE), deve anunciar o nome do parlamentar que irá ocupar o cargo nesta terça-feira (5). Moura adianta que escolherá um nome que já atue na área de Direitos Humanos e que defenda as bandeiras de luta do Partido Social Cristão”.
A indicação de Feliciano para um dos principais cargos do partido no Congresso é uma mostra da priorização do partido para temas delicados e que são conflitantes com princípios do cristianismo.
A candidatura do pastor assembleiano foi cercada de polêmica e protestos por parte do ativista e deputado federal Jean Wyllys (Psol), além de campanhas contrárias encabeçadas pelo apresentador do CQC Marcelo Tas e pelo movimento cristão Rede Fale. O PT tentou articular, de última hora, uma troca do nome do candidato do PSC, porém, sem sucesso.
Marco Feliciano concedeu uma entrevista ao site da revista Veja na segunda-feira, 04 de março, e afirmou que “a comissão [de Direitos Humanos] discute exatamente como garantir melhores condições para setores considerados excluídos. Existe um protecionismo exacerbado com o movimento LGBT. O medo deles é que eu comece a revirar a caixa de Pandora e ver onde as verbas foram investidas, se houve direcionamento”.
Para o deputado federal, a postura dos ativistas gays é contraditória, quando o acusam de intolerância e racismo: “Não tenho problemas em discutir assuntos ligados à homossexualidade. Eles é que não dão direito ao contraditório. Não os xingo de nenhuma palavra. As palavras obscurantista, fundamentalista e desgraçado foram usadas por eles contra mim”.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

“O anticristo já está aqui…”, diz John Piper













O pastor e escritor John Piper, disse que “o anticristo está aqui, mais ainda não chegou“, em seu blog, hospedado no site Desiring God. O conhecido pastor de Minnesota explicou que o “espírito do anticristo já esta no mundo“, mas que ele o numero real do anticristo está “por vir“.
Piper apoiou sua explicação com referência aos escritos de João e Paulo.
João é o único na Bíblia que utiliza a expressão anticristo, mas Paulo se refere a esta figura como ‘o homem do pecado’“.
Em 2 Tessalonicenses 2:3,6-7 Paulo diz: ” Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.Não vos lembrais de que estas coisas vos dizia quando ainda estava convosco?E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado;”
Piper explicou dizendo que: “Paulo diz que o homem do pecado esta chegando. E diz que o ‘mistério da iniquidade’ já esta trabalhando. Aproveito para dizer que uma figura diferente de grande poder satânico (versículo 9) vem, mas sua presença misteriosa já se pode sentir nos dias de hoje. Ele está aqui, e ele ‘todavia, ainda não chegou’“.
O pastor também se referiu em 1 João 4:3, onde o apostolo João diz: “E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo.”
Paulo e João viram uma imagem pela ultima vez pouco antes da Segunda Vinda, uma pessoa com grande poder demoníaco se levantara em rebelião contra o verdadeiro Cristo e seu povo“, disse Piper. “Enquanto isso, as características satânicas desse número sempre estão manifestando no mundo com maior ou menor domínio. O anticristo vem, ele esta aqui“.
No blog, o pastor disse: “A maioria de nós não estamos acostumados a falar do anticristo que já está aqui, mas ainda não chegou. Mas consideremos como apóstolos João e Paulo falaram sobre isso. ”
Piper terminou afirmando: O que significa isso para nós? É um chamado para que vivamos vidas sóbrias, velando e sendo fiel. “E isto digo, conhecendo o tempo, que já é hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando aceitamos a fé.” Romanos 13:11-12

Pastor é decapitado por extremistas muçulmanos em frente da igreja









A missão Internacional Christian Concern, que trabalha com a igreja perseguida, informou que um pastor da Assembleia de Deus, na Tanzânia, foi assassinado na segunda-feira durante um confronto entre cristãos e extremistas islâmicos. O pastor Kachili Mathayo foi decapitado por uma multidão de extremistas que invadiram a igreja.
Segundo Denis Stephano, comandante da policia local, as tensões entre muçulmanos e cristãos na cidade de Buseresere, foi aumentando nos últimos dias.
Testemunhas disseram que o problema começou quando alguns cristãos abriram um açougue na região. Os líderes muçulmanos exigiriam o fechamento imediato, mas eles não deram ouvidos.
Enquanto alguns cristãos entregavam a carne na igreja, foram atacados por um grupo de jovens muçulmanos “armados com facões e pedaços de madeira“, agrediram os cristãos, disse o Christian Concern.
Quando o pastor Kachili  soube do ocorrido, saiu da igreja para intervir. Mas foi atacado e decapitado em frente ao templo.
Poucos minutos depois, vários cristãos que residem na região correram para o local e começaram uma peleja. Segundo a imprensa local, os muçulmanos fugiram e se esconderam em uma mesquita antes da chegada da policia. Um dos agressores ficou gravemente ferido, sendo levado a um hospital, mas não resistiu. A policia, no entanto não prendeu ninguém.
O diretor da Christian Concern na África, William Stark, disse que “os ataques violento contra os cristãos crescem na África Oriental. Na semana passada, dois pastores foram atacados no QUÊNIA por extremistas islâmicos vinculados ao grupo radical AL-Shabab. O aumento dos ataques nos países de maioria cristã mostra que os muçulmanos não tem medo de represálias… “
Pastor Kachili deixa uma esposa e filhos que dependiam de seu salário para viver. A International Christian Concern, disse que oferecerá apoio e pede orações para a família.

Em que ano Jesus Nasceu? - Estudos Bíblicos









Muitas pessoas sabem que Jesus contava Parábolas, sabem que ele curava, sabem que ele conversava com as pessoas. Mas será que a as pessoas sabem em que ano Jesus nasceu?
Geralmente as informações que escutamos sobre Jesus é que ele morreu com mais ou menos 33 anos, que seu ministério durou 3 anos e que ele tinha 12 discípulos.
Lembramos do sermão do monte, da transformação da água em vinho, da multiplicação de pães e peixes e de diversas histórias. Mas se perguntassem para você o ano em que Jesus nasceu você acertaria?
Imagine que é a pergunta de 1 Milhão de Reais no Show do milhão e as opções são as seguintes:
a) Ano 6 a.C
b) Ano 1 a.C
c) Ano Zero
d) Ano 1 d.C
A resposta certa éa alternativa “a”>:  “Ano 6 a.C”.
O nosso calendário está dividido em A.C e D.C.
Jesus nasceu em Belém da Judeia uns dois anos antes da morte de Herodes, o Grande, o que aconteceu em 4 a.C.
Quando o calendário romano foi reformado, séculos mais tarde, houve um erro de uns seis anos no cálculo do começo da era cristã.
É por isso que, em vez do ano 1 da era cristã, a data correta do nascimento de Jesus é 6 a.C.



Grupo cristão é proibido pela justiça de anunciar que existem ex-gays






No ano passado o grupo britânico Stonewall utilizou nos ônibus de Londres para veicular uma campanha de defesa aos direitos dos homossexuais, colocando ao lado dos tradicionais veículos de transporte público da capital britânica a frase: “Algumas pessoas são gays. Apenda a viver com isso!”.

Como resposta a essa campanha, o grupo cristão Core Issues Trust (CIT) tentou levar às ruas uma campanha defendendo seus conceitos e ideias de que existem ex-gays, e de que a homossexualidade pode ser reorientada. Porém, a campanha criada pelos cristãos, que leva a frase “Não sou gay! Ex-gay, pós-gay e com orgulho. Apenda a viver com isso!”, teve sua veiculação proibida pelo prefeito da cidade.
Para justificar a proibição, o prefeito Boris Johnson argumenta que o anúncio não é ofensivo apenas a gays, mas viola as diretrizes de publicidade da Transport for London (TfL).
Lutando contra a proibição, o grupo cristão trava desde o ano passado uma batalha judicial na Alta Corte contra a proibição de seus anúncios. Como parte dessa batalha, o Dr. Mike Davidson, líder do CIT, entrou essa semana com um novo processo, pedindo que a justiça inglesa reconheça que está privando os cristãos do seu direito à liberdade de expressão.
- Existe um grupo de ex-gays, pessoas que se afastaram da homossexualidade, que precisam ser respeitados… Queremos apenas salientar que esta comunidade ex-gay precisa de reconhecimento – afirmou Davidson durante uma entrevista à rádio 4.
De acordo com o Breaking News, o Dr. Davidson argumentou também que os critérios usados para a proibição não foi adotados quando em 2009 a Associação Humanista Britânica e o escritor Richard Dawkins conseguiram colocar nos ônibus a polêmica mensagem: “Deus Provavelmente não existe. Pare de se preocupar e aproveite a vida”.
O direito dos cristãos em manifestarem suas ideias e valores através da campanha publicitária proposta foi defendido também pelo diretor do Centro de Direito Cristão, Andrea Williams.
- A proibição destas propagandas demonstra uma espécie de discriminação reversa, que ameaça destruir o debate na esfera pública. Boris Johnson precisa perceber seu erro e garantir que haja a mesma liberdade para todos – declarou Williams.
Por Dan Martins, para o Gospel+

Perdoar, para ser perdoado






Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?”  Jesus respondeu: “Eu lhe digo: não até sete, mas até setenta vezes sete. -  Mateus 18: 21 e 22
A Bíblia é bem clara ao afirmar “que por se multiplicar as iniquidades o amor de muitos se esfriariam.” Infelizmente vivemos um caos principalmente dentro do âmbito familiar. São famílias que não se entendem. Pessoas vivendo debaixo do mesmo teto mas se agredindo mutuamente com palavras agressivas e também fisicamente. Filhos desrespeitando os seus pais, pais com total falta de temor a Deus irritando por sua vez os seus filhos e trazendo discórdias no seio da família. Enfim feridas na alma que são abertas a todo instante e que parece não ter solução para sua cura, para a sua total cicatrização. O que está acontecendo afinal? Como acabar com isso? Como fazer que a paz possa voltar ao lar que está mergulhado em desencontros? Como fazer com que os valores morais e sobre tudo espirituais cheguem ao coração de nossos amados? A reposta para estas questões está centralizada na pessoa de Jesus Cristo. Conhecendo Jesus e tendo uma experiência com Ele tudo pode mudar.
Infelizmente existe uma tendência de grupos religiosos que insistem em atribuir ao diabo tudo o que acontece de ruim em nossas vidas. Mas o fato é simples de entender. Quando abrimos as nossas mentes, os nossos corações na direção daquele que tem as respostas, isto é, quando nos voltamos em sinceridade para Deus. Ele sim, Jesus, tem as respostas para as nossas inquietações pessoais e familiares. Tiago nos diz claramente: “Ninguém ao ser tentado diga, sou tentado por Deus, pois Deus não pode ser tentado pelo mal e Ele a ninguém tenta. Mas cada um é tentado quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência.” Tiago 1:14,15
De fato somos nós mesmos, com nossas decisões e escolhas erradas é que atraímos as conseqüências imprevisíveis e muitas vezes irreversíveis em nossa vida nesta terra. Existe um fator que trava toda e qualquer possibilidade de comunhão intensa com Deus e com os nossos semelhantes. É a falta de perdão. Não perdoar aquele que nos agride, aquele que tem traído a nossa confiança fará com que os céus se fechem para nós. Pedro argüiu Jesus “até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes?” Talvez seja esta a sua pergunta nesta oportunidade. Na mente de Pedro surge um número, o número sete que estava condicionado a lei dos judeus. Porém ao responder a inquietação de Pedro, Jesus o surpreende dizendo-lhe : “Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete.“ Isto representa no meu modo de pensar que quatrocentos e noventa vezes devo perdoar o meu irmão por uma mesma ofensa recebida. O perdão é Divino, é de Deus, mas para praticá-lo também devo estar em Deus. Hoje é tão comum pensarmos que basta apenas pedirmos perdão a Deus e resolveremos a questão pendente com o nosso irmão.(a) Não é assim que o problema será resolvido. Eu tenho que ter aquela consciência que se eu pequei eu devo procurar a pessoa que está sendo alvo de minha inquietação pessoal e pedir-lhe perdão. Depois eu terei liberdade de ir perante Deus para pedir-lhe perdão também. Tantos relacionamentos rompidos principalmente nas famílias por falta do temor do Senhor.
Cria-se na mente várias justificativas que anulam a atitude correta de tomar a decisão para resolver de vez o problema. A oração que Jesus nos ensinou, a tão conhecida oração do Pai Nosso, Jesus é bem positivo para conosco quando diz: “Que se não perdoarmos o nosso próximo, não seremos perdoados por Ele.” Se não tivermos a atitude de resolvermos o problema que está pendente com o nosso próximo, Deus também não poderá nos perdoar. Amado(a) você conhece alguém assim? Quem sabe o Espírito Santo neste momento está lhe revelando que existe alguém em sua própria família com quem você tem algum problema não resolvido. Será que você tem dificuldade de perdoá-la? Sabe o que você vai fazer? Eu quero lhe dar alguns conselhos práticos e tenho a certeza absoluta que vai ajudá-lo(a) neste dia.
1. Verifique em oração diante de Deus se existe alguém cujo perdão você tem retido.
2. Se você identificar pessoas ou situações, peça a Deus que lhe dê coragem e estratégias vindas da parte Dele para resolver a situação.
3. Dirija-se a esta pessoa ou pessoas na primeira oportunidade e peça-lhe perdão. Se estiver longe lhe escreva uma carta, e-mail ou use o telefone mas lembre-se: “Não é um simples pedido de desculpas. É pedir perdão de coração.” Não é hora de fazer discursos. Não é hora de aproveitar da situação para achar erros na(s) pessoa(s) em questão. É hora de resolver os problemas com seu pedido de perdão.
4. Ore junto com esta pessoa. Agradeça a Deus por estarem tentando se entenderem novamente diante de Deus. Obs. Se a pessoa não lhe der o perdão. Você está liberado diante de Deus, pois tentou fazer a sua parte e você poderá ter agora a sua consciência livre de culpa.
Amigo(a) Talvez você tenha razões de sobra para a sua atitude de afastamento e retenção do perdão. Mas lembre-se: A vitória com certeza chegará a sua vida quando você derrubar esta parede de separação. Alguém disse “Que o perdão é a habilidade de começar tantas vezes quanto forem necessárias”. Uma das coisas que Jesus bateu mais de frente quando estava aqui nesta terra, foi contra os religiosos e hipócritas de sua época. Volta e meia Ele estava frente a frente com as pessoas que gostavam de fazerem intrigas e que traziam tantas perturbações, tanta falta de paz no meio das famílias. Que adianta ir a Igreja, cantar no coro ou pertencer a uma banda de louvor, ouvir os sermões do pastor, participar das celebrações e não ter a motivação de ter um coração limpo, um coração transparente perdoando e sendo perdoado.
Deus está em nossos dias e principalmente na família mostrando-nos que para alcançarmos a paz, a alegria, harmonia de pensamentos e comunhão com Deus e uns com os outros o perdão se faz necessário sempre, todos os dias, todas as horas, todas as pessoas, todas as situações. Somente com o coração livre, sem rancor, sem ódio é que teremos famílias abençoadas e felizes no Senhor. Agora um detalhe muito importante. Quem sabe você deve estar com este pensamento “ Você está dizendo isto pastor Nélson, porque não conhece o meu problema? Não conhece a minha dor, não conhece o meu sofrimento. Não sabe o que meu cônjuge me fez. Não sabe o que o meu filho, o meu pai, o meu irmão aprontou comigo” De fato muitas coisas estão chegando à sua mente neste instante de confronto com a Palavra de Deus.
Amigo(a) vamos resolver aquela situação pendente? Quero orar para que você se sinta encorajado de resolver esta tarefa tão difícil,l porem gloriosa. Quem sabe hoje o Espírito Santo lhe trouxe na memória uma situação que exige de você um posicionamento inadiável. Hoje é o dia, o momento é agora.
Oração: Senhor Deus. Tratamos nesta oportunidade sobre o assunto chamado perdão, um assunto tremendamente importante que afeta milhares de pessoas. Muitas delas estão presas e impossibilitadas de avançar na vida espiritual, pois em algum momento tiveram em seus caminhos situações nas quais não pediram ou não liberam perdão. Pedimos hoje. Agora mesmo o desbloqueio de seus corações e mentes no sentido de fazer cumprir em suas vidas a vontade de Deus. Os ajudem Senhor a resolverem o mais rápido possível suas pendências. Todos os créditos damos a ti que és o único Senhor em nossas vidas. Oramos em o nome de Jesus Cristo. Amém e Amém
por: Pr. Nelson Gouvêa

Contato com a religião depende mais dos pais que da escola






Os brasileiros são um povo de fé. Segundo dados do Censo de 2010, 92% das pessoas declaram ter alguma religião, em sua maioria (87%) a cristã. Essa religiosidade é transmitida às crianças pelos pais e por outros familiares, mas a forma como esse contato inicial é absorvido é variável. Para o professor César Leandro Ribeiro, coordenador do Departamento de Teologia da PUC-PR, se a criança vai ter esse primeiro contato como algo positivo ou negativo, depende da significação que ela vai dar às descobertas: “A religiosidade está intimamente atrelada à experiência”, comenta.
Ribeiro exemplifica, dizendo que uma boa relação da criança com os pais ou com figuras de autoridade torna mais fácil a aceitação da religião, “pois há uma projeção da imagem da autoridade na imagem de Deus”. O oposto, garante Ribeiro, também é verdadeiro: relações familiares negativas podem afastar os jovens da religião.
Após o contato inicial feito em casa, nas escolas, as crianças têm acesso às aulas de ensino religioso, ampliando o conhecimento e a compreensão da área. Mesmo que de matrícula facultativa, no Brasil, o ensino religioso deve ser oferecido pelas escolas públicas de ensino fundamental. Mas, mesmo que a legislação assegure o respeito à diversidade cultural religiosa do País, o Ministério da Educação informa que “questões mais específicas são decididas por cada sistema de ensino, no âmbito de sua autonomia”, o que significa que o conteúdo ministrado e o respeito à matrícula facultativa fogem ao controle do órgão federal.
Ribeiro nota uma mudança fundamental na forma como as religiões são tratadas em sala de aula. “Antes, o ensino era confessional. Hoje, é área de conhecimento”. Esse novo formato, adotado para abranger o sincretismo religioso brasileiro, busca o estudo de variadas religiões, do catolicismo ao candomblé, do espiritismo às crenças orientais. Quem atesta isso é a pedagoga Tânia Wiacek, que ministra aulas de Ensino Religioso na Escola Municipal CEI Belmiro César, de Curitiba. “Não há doutrinação, mas uma apresentação de valores e rituais de cada religião”. Na escola, as crianças iniciam o estudo das religiões no 1º ano do ensino fundamental, aos seis anos.
Mas o professor Ribeiro diz que existe resistência às mudanças: grupos defendem a volta do ensino confessional, nos moldes de pastorais, que atuam mais no campo da ação. A ação pastoral está associada ao catolicismo e é a forma que a igreja encontra de sair do campo das ideias e prestar serviços à comunidade.
Como lidar com as diferenças
Muitas instituições de ensino no Brasil são católicas ou de alguma ordem religiosa específica. Dessa forma, outra problemática se apresenta: como o colégio ensina diferentes crenças às crianças. De acordo com Ribeiro, o mais importante é que se valorize o respeito. “Se alguma escola católica age com preconceito em relação a algum aluno de outra religião, está indo contra seus próprios princípios; não está sendo cristã”, diz. Segundo Ribeiro, precisamos buscar o meio-termo, fugindo de extremismos. Afinal, uma escola católica, mesmo que baseada nos princípios do Evangelho, vai formar seres humanos e não necessariamente cristãos, resume o teólogo.
Segundo a educadora Tânia, os alunos aceitam bem as diferenças religiosas. “O preconceito está nos pais, não nas crianças”, revela. Frente ao ensino religioso, alguns responsáveis demonstram medo de que haja, na escola, a doutrinação de alguma crença contrária à que se cultiva em casa. Como na rede pública de ensino a matrícula na disciplina é facultativa, os pais podem optar por não inscrever os filhos. “Cabe aos pedagogos explicar as aulas e explicitar que não há tentativa de doutrinação, mas sim uma apresentação de variadas culturas”, diz Tânia. Como resultado desse esforço, revela ela, 100% dos alunos frequentam suas aulas.
O teólogo Ribeiro não vê um distanciamento da nova geração do campo religioso. Mesmo que as crianças hoje recebam muito mais informações do que gerações anteriores, para o professor não há uma grande mudança aparente. “O ser humano, essencialmente, é o mesmo”. Assuntos em alta hoje, a preservação da natureza e a vida comunitária – mesmo que online – se aproximam muito mais dos princípios da igreja do que a rebeldia de gerações anteriores, que lutaram contra todas as formas de autoridade. “Quanto mais eu ando por aí, mais eu vejo como os jovens são extremamente generosos. Acredito muito nessa nova geração”, completa.

Namorar ou “ficar”?





Muitos jovens em nossos dias, estão se rendendo à decadente cultura do relacionamento sem compromisso e estão “ficando” com um e outra hoje e com uns e outros e umas e outras amanhã.
É um relacionamento de entrega, onde há beijos e abraços (para não dizer outras coisas mais) com uma pessoa que não se conhece nem tem qualquer compromisso. Essa prática está completamente contrária ao propósito de Deus. Os jovens cristãos são regidos pelos princípios de Deus e não pela ética relativa do mundo. Não podemos nos conformar com este século. O namoro dos jovens cristãos precisa ser puro, íntegro e com propósitos elevados, visando o casamento. Essa prática do “ficar” é um desrespeito a si mesmo, à família e aos valores da ética cristã. Esse tipo de relacionamento descartável revela a fragilidade da formação familiar e empurra a nossa juventude para a vala comum da decadência dos valores e da falência das futuras famílias.
Que Deus tenha misericórdia da nossa juventude. É tempo de recuar! É tempo de inconformar-se com o conformismo do mundo para nos conformarmos com o inconformismo de Deus.
por: Hernandes Dias Lopes

Pr. Marco Feliciano poderá presidir Comissão de Direitos Humanos na Câmara




A possibilidade de o deputado e pastor evangélico Marco Feliciano, do Partido Social Cristão (PSC), de São Paulo, vir a presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos DEputados gerou reação e críticas de parlamentares de outras legendas e com tradição de atuação nessa área. Conhecido por suas posições radicais e conservadoras em relação a homossexuais, negros e a qualquer prática do aborto, Feliciano é um dos favoritos da legenda cristã para assumir a comissão, o que será definido na próxima terça-feira. O deputado fala abertamente que, se vier a comandar o colegiado, pretende quebrar a “hegemonia” da comunidade LGBT na comissão.
- Dentro da comissão só vejo a comunidade LGBT. Só se fala disso ali. Há um privilégio indevido para esse grupo. Se tiver a felicidade de ser presidente, vou cuidar da pauta da família. Sei o que é certo e errado. Agora, o pessoal que se acha dono da comissão não me quer lá. Que mistério é esse? O que não querem que eu descubra lá? – disse Marco Feliciano.
Um dos fundadores dessa comissão, o deputado e ex-ministro dos Direitos Humanos Nilmário Miranda (PT-MG) diz que qualquer partido pode presidi-la, mas não qualquer um. Sem citar o nome de Feliciano, Nilmário diz que alguém com seu perfil não deve estar à frente da comissão.
- Qualquer partido pode assumir a comissão, que é suprapartidária, vinculada aos preceitos da Constituição e da Declaração Universal. Não pode ter preconceito contra ninguém, nem deve. Agora, não pode ser uma pessoa que não comunga com os valores dos direitos humanos, que tenha preconceitos e discriminação. Essa comissão funciona há vinte anos como um espaço dos movimentos sociais e das minorias. Não se pode cortar isso – disse Nilmário Miranda, que citou um parlamentar do PSC que poderia ocupar o cargo.
- Tem o Hugo Leal (PSC-RJ). Me falaram bem dele, que é um deputado muito sério, muito respeitado e muito querido.
Feliciano passou a sexta-feira rebatendo críticas à sua indicação para a comissão na rede social.
“Perseguição religiosa? Marco Feliciano sofre retaliações da comunidade LGBT para não assumir a Comissão de Direitos Humanos por ser Pastor” – disse o deputado sobre ele mesmo em seu twitter.
O parlamentar já disse que o amor entre pessoas do mesmo sexo leva ao ódio, ao crime e à rejeição. Em 2011, criou polêmica ao escrever que “os africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé” e que essa maldição é que explica o “paganismo, o ocultismo, misérias e doenças como ebola” na África.
Feliciano atribui a “perseguição” a ele ao deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), que tem entre suas bandeiras as causas dos movimentos LGBT.
- Foi o Jean Wyllys quem me lançou presidente da comissão, que postou na internet que meu nome é o mais cotado. Mas para depois me esculhambar. A comunidade LGBT me acusa de racista e homofóbico, mas eles que demonstram ser intolerantes – disse Feliciano.
Jean Wyllys não esconde seu descontentamento e, ao contrário de Nilmário Miranda, acha que a comissão nem deva ir para as mãos do PSC.
- É um partido que, em suas campanhas, deixa claro ser contrário à cidadania LGBT. Defende a família tradicional, conservadora, que só tem o pai, a mãe e o filho. Desconsidera famílias homoafetivas, ou de casais que não podem ter filho ou que não querem ter filho. Se esse cara for indicado, o problema só se agrava. É racista e um homofóbico confesso. Que chama a Aids de câncer gay. É assustador – disse Jean Wyllys.
A Comissão de Direitos Humanos é tradicionalmente ocupada pelo PT, que dessa vez, não a considerou prioridade. A bancada do partido optou por presidir a Comissão de Seguridade Social, além de ter o comando da Constituição e Justiça e de Relações Exteriores. Jean Wyllys acha que o PT deveria, então, ter articulado um nome mais palatável de outra legenda, do PSB ou do PCdoB.
- O PT deixou a comissão ir parar na mão do PSC. Isso leva a crer que houve um acordo de bastidor. Na véspera de uma eleição presidencial, em que há candidatos (da oposição) que não são favas contadas, o governo precisará dos evangélicos. A reeleição (de Dilma) não pode correr risco – disse Jean Wyllys, que pode não integrar a comissão se Feliciano for confirmado.
- Não me sentiria à vontade de estar na comissão. Cada proposição que eu fizesse viraria polêmica, ele iria barrar.
O Globo / Portal Padom

O justo florescerá como a palmeira e crescerá como cedro do libano – Pr. Samuel Ferreira

.





Programa Palavra de Vida – AD Brás Tema: “O justo florescerá como a palmeira e crescerá como cedro do libano” Exibição na TV: 02/03/2013 Direção Geral: Pastor Samuel Ferreira



Campanhas nas redes sociais e no Avaaz querem “derrubar” Marco Feliciano











Chamado de racista e homofóbico, pastor é criticado na internet
Desde que retirou uma petição favorável ao pastor Silas Malafaia, o site de campanhas Avaaz caiu em descrédito entre muitos evangélicos.
Agora que foi divulgada a possibilidade do pastor e deputadoMarco Feliciano (PSC/SP) ser presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, mais uma vez o site cria um imbróglio com os evangélicos.
Desde que foi anunciado que um acordo entre os partidos na Câmara Federal, daria ao partido de Feliciano o direito de indicar o presidente da Comissão, o nome do pastor surgiu com força. André Luis Dantas Ferreira, líder do PSC, não confirmou quem o partido indicará. Somente na próxima terça-feira (5) será anunciado oficialmente.
Mas a repercussão nas redes sociais não foi nada boa. Centenas de mensagens postadas noFacebook pediam que Feliciano não assumisse, lembrando episódios de 2011 quando ele postou frases polêmicas no Twitter em relação aos negros e aos homossexuais.
O Avaaz já divulgou uma petição contra o deputado, que já conta com mais de 25 mil assinaturas. “É inaceitável que a comissão fique nas mãos de alguém que irá lutar contra qualquer avanço em direção ao reconhecimento dos direitos humanos no Brasil, uma matéria ainda tão frágil em nosso país”, diz o texto da petição.
Marco Feliciano se pronunciou em seu site e pelo Twitter. Disse ser vítima de uma “campanha difamatória” do público LGBT. “Os ativistas gays (estão) desesperados pela possibilidade do meu partido PSC assumir a Comissão de Direitos Humanos. Acalmem-se. Vai dar tudo certo. Eu já havia feito esta denúncia de que os ativistas gays tomaram posse da Comissão de Direitos Humanos, e por lá fazem o que querem. (…) A arte maligna dos ativistas, herança fascista, denegrir a imagem de alguém pra que este não seja respeitado. Estão amedrontados”, escreveu.
O também deputado federal Jean Wyllys (PSOL/RJ) se manifestou publicamente, classificando Feliciano de homofóbico
Em sua defesa, o pastor disse que seu partido está sofrendo pressões políticas para que ele sequer seja indicado. “Olhem a trama, mais de 10 parlamentares que foram membros dessa comissão ligaram para o líder do PSC pedindo para que eu não assuma a comissão”, escreveu no microblog.
Inconformados, defensores de Marco Feliciano lançaram uma petição no Avaaz apoiando que ele seja o presidente da comissão. Por enquanto são menos de mil assinaturas e muitos evangélicos acreditam que ela será tirada do ar, após o que o presidente da Avaaz no Brasil fez com a petição pró-Malafaia .
CLIQUE AQUI E APOIE O PASTOR MARCO FELICIANO

2,314 assinaturas. Vamos chegar a 3,000

Por que isto é importante

O Partido Social Cristão (PSC) pode assumir a Comissão de Direitos Humanos. O Nome do Deputado Pastor Marco Feliciano foi lembrado pelos Internautas nas Redes Sociais, mas tem sofrido, com infâmia, perseguição e até ameaça de morte. Este é o Nome certo para presidir a Comissão de Direitos Humanos.
http://www.marcofeliciano.com.br/noticia/100/deputado-pastor-marco-feliciano-tem-sofrido,-com-infamia,-perseguicao-e-ate-ameaca-de-morte-em-redes-sociais.html

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.