Pastor Silas Malafaia se opõe à Reforma Política e afirma que a proposta é tentativa do governo de “desviar o foco dos problemas”





Os protestos sociais realizados em todo o Brasil nas últimas semanas resultaram numa movimentação política que inclui parlamentares, governadores, ministros e a própria presidente Dilma Rousseff.
Entre as principais ações governamentais em resposta às manifestações populares, o Senado aprovou uma lei que classifica a corrupção como crime hediondo, e a presidente Dilma convocou políticos e partidos para planejar uma Reforma Política através de plebiscito.
Essa opção não agradou à maioria dos partidos de oposição, pois no plebiscito, o povo decidirá, por exemplo qual modelo de eleições escolher. O temor é que pela falta de profundo conhecimento sobre o tema por parte da população, é possível que não sejam mudadas muitas regras em vigor atualmente.
A proposta da oposição é que o governo e o Congresso discutam uma reforma política e a submeta à aprovação do povo num referendo, pois dessa forma, supõe-se que as mudanças sejam mais profundas e positivas.
O pastor Silas Malafaia criticou a escolha do governo pelo modelo de plebiscito, dizendo que a opção foi feita para “desviar o foco dos problemas”. Segundo o líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), essa estratégia atende apenas aos interesses dos políticos.
“É incrível a capacidade dos governantes tentarem desviar o foco dos problemas graves do Brasil para um tema que o povo pouco domina. É de uma insensatez, para não dizer ‘cara de pau’, tratar de um tema que só interessa aos políticos e principalmente ao governo, para tentar desviar a atenção da sociedade de assuntos mais sérios que afligem a população”, escreveu.
Malafaia diz que Dilma Rousseff deveria se concentrar na melhoria da eficiência do governo e no fim da corrupção: “Fala para a presidente que a reforma política que o povo quer é menos roubalheira, burocracia e muito mais eficiência e competência para governar. Quem vai comandar o plebiscito sobre a reforma política? Os políticos! O que o povo entende disso? Absolutamente nada! É uma vergonha! É uma afronta a inteligência de qualquer um!”, contestou.
O pastor chamou atenção ainda à necessidade de uma Reforma Tributária para melhorar as condições de vida da população: “Avisa à presidente que a reforma que o país precisa é a tributária, mas essa ela não quer porque vai perder poder [...] O povo quer menos roubalheira e burocracia e muito mais eficiência e competência para governar”, disse Malafaia.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Antes de execução, condenada pede que as pessoas mantenham a fé e diz: “Estou indo para casa, estar com Jesus”






Uma mulher condenada à morte por ter cometido latrocínio (roubo seguido de morte) nos Estados Unidos, usou suas últimas palavras antes de ser executada para incentivar as pessoas a manterem a fé.
Kimberly McCarthy, a 500ª pessoa a ser executada pelo governo do Estado do Texas, foi condenada por ter roubado e matado sua vizinha, Doroty Booth, uma professora aposentada, em 1997. Ela era terapeuta num lar de idosos à época, e se tornou viciada em crack.
“Essa não é uma perda. Esta é uma vitória. Vocês sabem onde eu vou. Estou indo para casa, para estar com Jesus. Mantenham a fé. Eu amo todos vocês”, disse Kimberly, antes de tomar a injeção letal de pentobarbital.
De acordo com informações da BBC News, durante o tempo em que esteve no corredor da morte, Kimberly McCarthy tornou-se uma aluna da entidade cristã Crossroad Bible Institute, um ministério sem fins lucrativos voltado à evangelização de detentos, e recebeu seu certificado de conclusão do curso em 2006.
Durante o dia da execução de Kimberly, manifestantes protestaram contra a pena de morte, e seu advogado de defesa criticou a quantidade de pessoas condenadas à morte no Texas: “500 é demais. Estou ansioso para o dia em que nós reconheçamos esta prática inútil e bárbara, imposta quase exclusivamente sobre aqueles que são pobres e desproporcionalmente sobre as pessoas de cor, não tem lugar em uma sociedade civilizada”, afirmou.
A família da professora assassinada por Kimberly limitou-se a divulgar um comunicado dizendo que a data marcava a concretização da condenação: “Estamos apenas pensando sobre a justiça que nos foi prometida pelo estado do Texas”.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Davi e Golias - DESENHO BIBLICO - DUBLADO E COMPLETO

A NOSSA VITÓRIA VEM DA NOSSA FÉ EM DEUS.









Comissão de Constituição e Justiça aprova PEC 99/11, que dá poder às igrejas evangélicas de questionarem leis no STF








O Projeto de Emenda à Constituição (PEC) 99/2011 que prevê a inclusão de entidades religiosas de âmbito nacional na lista de instituições que podem propor ação direta de inconstitucionalidade ou ação declaratória de constitucionalidade ao Supremo Tribunal Federal (STF) foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.
Em votação realizada nesta quarta-feira, 27 de junho, os parlamentares que entidades como o Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, a Convenção Batista Nacional e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), podem impetrar ações diretamente no STF a respeito de temas que estejam sendo discutidos na sociedade.
A PEC 99/2011 é de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), que é delegado e, portanto, tem formação acadêmica em Direito. Campos também é o autor do projeto 234/2011, apelidado de “cura gay”, e que deverá ser votado na próxima semana no plenário da Câmara.
Agora que foi aprovada na CCJ, a PEC 99/2011 deverá ser analisada por uma comissão especial antes de ser votada no plenário, em dois turnos.
A prerrogativa para essas ações, atualmente, é restrita ao presidente da República; à mesa do Senado Federal e da Câmara dos Deputados; as mesas das Assembleias Legislativas ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; governadores de Estado ou do Distrito Federal; o procurador-geral da República; o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); partidos políticos com representação no Congresso Nacional; e confederações sindicais ou entidades de classe de âmbito nacional, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo.
O deputado João Campos afirmou que considera a PEC uma “ampliação da cidadania e do acesso à Justiça”, pois aumenta a representatividade legal de entidades que abrigam milhões de brasileiros.
“Alguns temas dizem respeito diretamente às entidades religiosas. A questão da imunidade tributária, por exemplo, assim como a liberdade religiosa e o ensino religioso facultativo, entre outros. Se tivermos em algum momento alguma lei que fere um desses princípios não teríamos como questionar isso no Supremo. Com a proposta, estamos corrigindo uma grave omissão em que o constituinte incorreu ao deixar essa lacuna”, argumentou o parlamentar, que é evangélico.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

RBS TV, afiliada da Globo, usa diabo “bonzinho” em comercial para crianças e gera polêmica com cristãos Avatar de Tiago Chagas Publicado por Tiago Chagas em 27 de junho de 2013







Uma campanha pela melhoria da educação com uma mensagem inusitada, voltada para crianças, está causando polêmica entre cristãos. Intitulada “A Educação Precisa de Respostas”, a campanha é levada ao ar pela RBS TV, que é afiliada à Rede Globo.
O vídeo da campanha foi apresentado no último dia 11 de junho, e traz um musical em que os personagens Diabo, Bicho-Papão, Mula Sem Cabeça, Bruxa Malvada, e o Boi da Cara Preta dizem ser atenciosos com a educação de seus filhotes e pedem maior atenção com as escolas, de acordo com o site da emissora.
A iniciativa havia sido lançada em 2003, e agora, a RBS resolveu reeditar a campanha: “Acreditamos que, ao trazer de volta personagens tão queridos, vamos engajar um público mais amplo, especialmente as crianças e os adolescentes, sem perder a consistência de conteúdo que requer esse assunto tão relevante para o desenvolvimento do nosso país”, declarou Nelson Sirotsky, presidente do Conselho de Adminitração do Grupo RBS.
Eduardo Sirotsky Melzer, presidente executivo do Grupo RBS, a campanha se justifica pela obrigação da emissora em se empenhar no tema: “A educação abre as portas para um mundo de inovação e conhecimento e é o que faz diferença e dá condições de realização na vida das pessoas. Com os monstrinhos, queremos conquistar a adesão da comunidade para essa bandeira”.
Confira ao vídeo da campanha:





Repercussão
Nas redes sociais, as reações à campanha foram diversas, com pessoas manifestando desde apreço até repúdio pela iniciativa de vincular a imagem de personagens folclóricos e do diabo à educação.
Uma avó publicou na página da campanha no Facebook um depoimento dizendo que seus netos “adoravam” os personagens: “Emylly de 5 anos adora o diabinho e a bruxinha, e o Bernardo gosta do boi da cara preta e bicho-papão. Afinal eles gostam de todos. Gostaria de saber como conseguir os adesivos dos monstrinhos para eles pois, sou uma avó que ama seus netos”, escreveu Greice Lopes.
A reação, no entanto, não foi semelhante por parte de uma menina, que repudiou a campanha: “Meu nome é Valentina, eu tenho 8 anos. Eu posso ser pequena mas acho uma palhaçada essa coisa de diabo. Querem que nos dormimos com monstros. Diabo existe, porque se existe o bem existe o mau”, protestou.
No Twitter, o internauta Samuel Rodrigo ironizou a emissora pela campanha: “Uma vez as crianças aprendiam que Deus era o papai do céu, o bonzinho e o Diabo era o malvado. Agora a RBS igualou tudo”.
O casal Omar e Sandra seguiu a mesma linha: “Campanha ‘educacional’ da RBS invoca diabo bonzinho, bruxa boazinha e outros monstros!! Bem como o diabo gosta!”.
twitter omar e sandra - rbs tv - monstrinhos
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

SALMO 31 - PARA REFLEXÃO E CONSOLO.








[Salmo de Davi para o músico-mor] Em ti, SENHOR, confio; nunca me deixes confundido. Livra-me pela tua justiça.
Inclina para mim os teus ouvidos, livra-me depressa; sê a minha firme rocha, uma casa fortíssima que me salve.
Porque tu és a minha rocha e a minha fortaleza; assim, por amor do teu nome, guia-me e encaminha-me.
Tira-me da rede que para mim esconderam, pois tu és a minha força.
Nas tuas mãos encomendo o meu espírito; tu me redimiste, SENHOR Deus da verdade.
Odeio aqueles que se entregam a vaidades enganosas; eu, porém, confio no SENHOR.
Eu me alegrarei e regozijarei na tua benignidade, pois consideraste a minha aflição; conheceste a minha alma nas angústias.
E não me entregaste nas mãos do inimigo; puseste os meus pés num lugar espaçoso.
Tem misericórdia de mim, ó SENHOR, porque estou angustiado. Consumidos estão de tristeza os meus olhos, a minha alma e o meu ventre.
Porque a minha vida está gasta de tristeza, e os meus anos de suspiros; a minha força descai por causa da minha iniqüidade, e os meus ossos se consomem.
Fui opróbrio entre todos os meus inimigos, até entre os meus vizinhos, e horror para os meus conhecidos; os que me viam na rua fugiam de mim.
Estou esquecido no coração deles, como um morto; sou como um vaso quebrado.
Pois ouvi a murmuração de muitos, temor havia ao redor; enquanto juntamente consultavam contra mim, intentaram tirar-me a vida.
Mas eu confiei em ti, SENHOR; e disse: Tu és o meu Deus.
Os meus tempos estão nas tuas mãos; livra-me das mãos dos meus inimigos e dos que me perseguem.
Faze resplandecer o teu rosto sobre o teu servo; salva-me por tuas misericórdias.
Não me deixes confundido, SENHOR, porque te tenho invocado. Deixa confundidos os ímpios, e emudeçam na sepultura.
Emudeçam os lábios mentirosos que falam coisas más com soberba e desprezo contra o justo.
Oh! quão grande é a tua bondade, que guardaste para os que te temem, a qual operaste para aqueles que em ti confiam na presença dos filhos dos homens!
Tu os esconderás, no secreto da tua presença, dos desaforos dos homens; encobri-los-ás em um pavilhão, da contenda das línguas.
Bendito seja o SENHOR, pois fez maravilhosa a sua misericórdia para comigo em cidade segura.
Pois eu dizia na minha pressa: Estou cortado de diante dos teus olhos; não obstante, tu ouviste a voz das minhas súplicas, quando eu a ti clamei.
Amai ao SENHOR, vós todos que sois seus santos; porque o SENHOR guarda os fiéis e retribui com abundância ao que usa de soberba.
Esforçai-vos, e ele fortalecerá o vosso coração, vós todos que esperais no SENHOR.

VERSÍCULO DO DIA 26/06/2013











Tudo quanto tem fôlego louve ao SENHOR. Louvai ao SENHOR. Salmos 150:6 


 
Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos. Filipenses 4:4


Bazar da Camiseta faz sucesso e lança moda com camisas de qualidade personalizadas para evangélicos





A forma de se vestir e o estilo de compor as peças na hora de montar um visual expressam muito da personalidade de cada pessoa, e há quem goste de usar o que está na moda se diferenciando com roupas exclusivas.
O Bazar da Camiseta é uma loja virtual que oferece a possibilidade de criar estampas diferenciadas e personalizadas, inclusive com uma seção de temas cristãos. Atualmente, o site da empresa possui 200 variedades de estampas, e deve chegar a 700 até o final de 2013.
O uso de alta tecnologia permite que as estampas sejam feitas diretamente no tecido, usando o processo digital Direct to Garment (DTG), que garante impressão detalhada e com qualidade.
Esse sistema ainda permite ao Bazar da Camiseta ter sempre todos os modelos à disposição, uma vez que não é necessário montar estoque dos produtos, pois a impressão é rápida e simples.
O Bazar da Camiseta é a nova alternativa para quem gosta de se vestir bem, expressar seu estilo de vida e sempre ter conforto e qualidade. A loja virtual do Bazar oferece grande variedade, produtos de alta qualidade e preço acessível.
As estampas abrangem todos os gostos, e ainda camisetas em modelos tradicionais e femininos, com temas gospel, versículos, imagens ou frases cristãs, além de moda casual e urban wear. Conheça mais sobre o Bazar da Camiseta acessando este link.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Igreja Universal realiza grande bazar em Moçambique para ajudar crianças desfavorecidas






A Igreja Universal em Moçambique reuniu milhares de pessoas no Cenáculo Maior de Maputo para a realização de um grande bazar com o objetivo de arrecadar fundos para um projeto que consiste em ajudar as crianças desfavorecidas da capital moçambicana.
Organizado pela Educação Bíblica Infantojuvenil (EBI), segundo o site Arca Universal, o bazar beneficente foi teve muitas barracas de bebidas, roupas, bolsas, sapatos e outros acessórios, e barracas de comidas (gastronomia moçambicana, angolana e brasileira), além de um espaço dedicado ao artesanato, salão de beleza e boutique.
O evento contou também com sorteios de brindes como fogão elétrico, geladeira e micro-ondas, além de um espaço dedicado às crianças, com pula-pula e pescaria, e também brinquedos, camisetes, balões, bonés, e vários outros produtos no espaço da EBI.
A coordenadora geral da EBI em Moçambique, Kátia Arrone, fez um balanço positivo do trabalho, afirmando que o bazar superou as expectativas, principalmente pela aderência massiva de crianças, pais e encarregados de educação e do público em geral. Outro representante da igreja a se manifestar positivamente sobre o trabalho foi o bispo Augusto Dias, responsável pelo trabalho desenvolvido pela Universal em Moçambique.
A primeira-dama de Maputo, Celestina Simango, esteve presente no evento e elogiou a iniciativa da igreja.
- Todos os dias devemos prestar atenção e cuidar das crianças, para que elas possam crescer num ambiente saudável, afinal, elas são os futuros dirigentes desse país. – afirmou Simango.
Veja fotos do evento:
bazar-universal-01
bazar-universal-05
bazar-universal-04
bazar-universal-03
bazar-universal-02
Por Dan Martins, para o Gospel+

Lição 13: Eu e minha casa serviremos ao Senhor - Lições Bíblicas - CPAD






Por Eliseu Antonio Gomes


"Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará" - João 8.32.

O cristão deve zelar por seu lar, vigiar e orar em todo tempo, para que sua casa nunca esteja alicerçada em fundamentos inseguros. Ao manter a vigilância em nosso cotidiano, o lar não é invadido pela imoralidade em que submerge o presente século.

"Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR teu Deus te dá."  -  Êxodo 20.12. O primeiro mandamento como promessa precisa ser ensinado no lar de geração em geração.

O óbvio e ululante precisa ser levado em consideração em conversas familiares. O primeiro mandamento com promessa é dirigido aos filhos. E pais um dia foram filhos e a lógica é esperar que os filhos  se casem e se tornem pais. A vigilância em casa passa pela comunicação de qualidade, com pais instruindo filhos sobre o caminho do Senhor (Provérbios 22.6).

As Escrituras Sagradas nos mostra homens que, embora não fossem perfeitos, conduziram suas famílias em comunhão com Deus.

O exemplo de Noé

O perfil de Noé revela aos pais de família cristãos as qualidades de quem serve ao Senhor. Os contemporâneos de Noé  desprezavam o Criador, compunham a sociedade perversa, violenta, imoral. Ele era homem justo, honesto. Tornou-se conhecido ao pregar o juízo divino contra os pecadores, como uma pessoa que andava com Deus. Nesta situação, sendo ele um agricultor foi chamado por Deus para atividades de marcenaria, para construir a gigantesca arca que o salvaria, junto com toda sua família e uma espécie de cada casal de animais viventes daquela geração, do dilúvio que destruiu a humanidade (Gênesis 6.9; 1 Pedro 3.19-21; 2 Pedro 2.5).

Noé teve ensino em casa, sua ascendência contém nomes de servos de Deus: foi filho de Lameque, neto de Matusalém, bisneto de Enoque, valorizou o que os servos de Deus de sua família lhe ensinaram. Sua esposa e filhos ouviram o que ele orientou, trabalharam juntos com ele durante décadas para concluir a construção da embarcação.

Os ensinos de Jesus Cristo são os detalhes da "embarcação" que mantém a nós e nossa família seguros diante da sociedade sem temor a Deus. É preciso tomar a decisão de entrar no "barco" construído no lar, para escapar e prover escape aos familiares da condenação que está prestes a cair sobre as cabeças corrompidas de quem despreza a Palavra do Senhor em nossa geração (Gênesis 5.21-32; Mateus 24.37-38; Lucas 17.27). O Senhor é a única resposta certa para os nossos dias. Com a graça celestial a família vence os desafios da vida.


O exemplo dos recabitas

Midiã foi filho de Abraão com Quetura, e dessa relação surgiu a tribo dos midianitas. Entre os midianitas veio a existir Recabe, homem que foi testemunha ocular do cumprimento da profecia de Elias por intermédio de Jeú no tocante à destruição dos parentes de Acabe. A família de Recabe ficou conhecida como o grupo de israelitas chamado de os recabitas. Recabe gerou a Jonadabe, que foi um enérgico opositor do culto ao falso deus Baal (2 Reis 10.15-28; Jeremias 35.5-10).

Jonadabe, com o objetivo de evitar que sua família cultuasse ao falso deus Baal instruiu sua posteridade a não ingerir bebidas fortes, não se dedicar à agricultura, não construir casas e viver em barracas, consagrarem-se para adorar a Deus. E todos obedeceram fielmente .

A fidelidade dos recabitas às orientações de Jonadabe é exemplar. As Escrituras preservam o nome de Jonadabe e sua descendência como um núcleo familiar que guardou as leis do Senhor durante um período em que o povo de Israel se esquecia rapidamente. A instrução no lar conduz a família à uma vida feliz (2 Timóteo 3.14-17).

No lar, a prática do jejum, da leitura bíblica em grupo, da oração coletiva e a prática de fazer do dia a dia um altar de culto a Deus nos dá condições de enfrentar e vencer os males desse mundo perdido sendo bênção e influenciando os entes queridos  a serem também.


O exemplo de Josué

A biografia de Josué... [Acesse o texto completo: http://belverede.blogspot.com.br/2013/06/eu-e-minha-casa-serviremos-ao-senhor.html ].

Fonte: Belverede

Líder muçulmano foi condenado no Egito por queimar a Bíblia e insultar a religião Cristã







Na última semana um líder muçulmano egípcio foi condenado a 11 anos de prisão por ter rasgado e queimado uma Bíblia Cristã em ato contra o filme Inocência dos Muçulmanos. Ahmed Mohamed Mahmoud, conhecido como Abu Islam, foi condenado pelo crime de blasfêmia. Ele queimou uma Bíblia, em setembro do ano passado na porta da embaixada dos Estados Unidos na cidade do Cairo, no Egito.
O site Ahram Online afirma que Mahmoud queimou a Bíblia como forma de protesto contra o filme anti-islã “A inocência dos muçulmanos”, produzido nos Estados Unidos e que estaria sendo usado como arma de protestos contra os islâmicos. Porém, algum tem
Na última semana um líder muçulmano egípcio foi condenado a 11 anos de prisão por ter rasgado e queimado uma Bíblia Cristã em ato contra o filme Inocência dos Muçulmanos. Ahmed Mohamed Mahmoud, conhecido como Abu Islam, foi condenado pelo crime de blasfêmia. Ele queimou uma Bíblia, em setembro do ano passado na porta da embaixada dos Estados Unidos na cidade do Cairo, no Egito.
O site Ahram Online afirma que Mahmoud queimou a Bíblia como forma de protesto contra o filme anti-islã “A inocência dos muçulmanos”, produzido nos Estados Unidos e que estaria sendo usado como arma de protestos contra os islâmicos. Porém, algum tempo depois foi revelado que o produtor do filme é um egípcio copta cristão, o que aumentou ainda mais a ira dos muçulmanos e protestos antiamericanos dentro do mundo islâmico.
O filho do líder muçulmano também foi condenado pelo mesmo crime, por ter participado do ato contra a Bíblia e ajudado o pai. Ambos recorreram à decisão judicial e irão permanecer em liberdade enquanto aguardam o julgamento final.
O crime de blasfêmia é previsto na constituição egípcia, assinada em dezembro de 2012, em seu artigo 44.
- Insultos ou abuso de todos os mensageiros e profetas religiosos são proibidos – diz o texto da lei.
Segundo o The Christian Post, prisões por insultos ao islã são comuns no Egito, mas são raros os casos em que a fé cristã é envolvida e, normalmente, são casos de perseguição religiosa.
Assista o vídeo da manifestação onde o líder muçulmano rasga e queima a Bíblia:
po depois foi revelado que o produtor do filme é um egípcio copta cristão, o que aumentou ainda mais a ira dos muçulmanos e protestos antiamericanos dentro do mundo islâmico.
O filho do líder muçulmano também foi condenado pelo mesmo crime, por ter participado do ato contra a Bíblia e ajudado o pai. Ambos recorreram à decisão judicial e irão permanecer em liberdade enquanto aguardam o julgamento final.
O crime de blasfêmia é previsto na constituição egípcia, assinada em dezembro de 2012, em seu artigo 44.
- Insultos ou abuso de todos os mensageiros e profetas religiosos são proibidos – diz o texto da lei.
Segundo o The Christian Post, prisões por insultos ao islã são comuns no Egito, mas são raros os casos em que a fé cristã é envolvida e, normalmente, são casos de perseguição religiosa.
Assista o vídeo da manifestação onde o líder muçulmano rasga e queima a Bíblia:







#ProtestosBR: Missionário americano participa de protesto e afirma que “os brasileiros estão dando uma lição ao mundo”












O jovem missionário norte-americano Josue Viller, participou dos protestos na última semana em Florianópolis, capital de Santa Catarina e elogiou a postura política que vem sendo adotada por grande parte da população do país desde o início das manifestações.
Viller estuda Teologia e Missões no Brasil e foi um dos participantes da manifestação que bloqueou a entrada da capital catarinense na última terça-feira, empunhando um cartaz que dizia: “Brasil, I Love You”. Em entrevista ao portal Terra, ele conta que atravessou uma das pontes com seu cartaz na mão, tentando acompanhar as palavras dos outros manifestantes brasileiros.
- Tudo que busca o bem, a melhoria da qualidade de vida, deve receber o apoio da sociedade. Faço trabalhos sociais e adoro morar aqui. Me sinto muito feliz de ter a oportunidade de participar disso – afirmou o missionário, que realiza trabalhos sociais nas comunidades carentes de Florianópolis e organiza estudos bíblicos com crianças.
- Os brasileiros estão dando uma lição ao mundo. E eu estou participando – completou Josue Viller.
O protesto que contou com a participação do missionário reuniu quase 10 mil manifestantes. Começando às 18h na frente do Terminal de Integração do Centro (Ticen), a multidão carregava cartazes com críticas para a corrupção, impunidade, violência e desvios de verbas públicas.
Por Dan Martins, para o Gospel+

Todos os Evangélicos, Cristãos e Religiosos deveriam ver esse video







Comportamento homossexual: Não quero ser gay! posso?








O Projeto de Decreto Legislativo 234/11 (PDC) foi apelidado de “cura gay”, porém, na verdade ele trata da liberdade profissional e pessoal do psicólogo, e do direito da pessoa humana de buscar ajuda para seu sofrimento psíquico em relação a sua condição homossexual não aceita. O direito de não desejar mais pessoas do mesmo sexo deve ser respeitada pelos profissionais, que não podem negligenciar a real vontade de seu paciente com discursos prontos, de que não pode acontecer uma mudança na sua condição.
A Resolução do Conselho Federal de Psicologia n.º 1/99 ultrapassou os limites do poder regulamentar inovando a ordem jurídica ilegitimamente, pois criou obrigações e vedou direitos aos profissionais de psicologia, ofendendo vários dispositivos constitucionais, como, por exemplo, o Princípio da Separação dos Poderes, o Princípio da Legalidade e o Princípio da Liberdade de Expressão. A Resolução 01/99 cerceia o direito do profissional e do ser humano que busca ajuda, e devemos entender que o poder de uma autarquia, como é o caso do Conselho Federal de Psicologia, não é legislativo, e sim normativo, limitado ao poder da Constituição Federal. Ele não pode criar direitos e deveres, mas apenas normas que visam regulamentar a profissão.
A resolução interfere no processo terapêutico, impondo medo e colocando uma mordaça no profissional, nos colocando nas mãos de ativistas intelectualmente desonestos, e nos transformando em algozes. Temos de ter a liberdade e o direito profissional de acolher aqueles sujeitos que por vontade própria, sentindo-se em conflito, queiram reverter sua homossexualidade (ou qualquer outra orientação sexual) e não sermos acusados de estar tratando esse sujeito como um doente, e sim de estar dando acolhimento psicológico.
Existem homossexuais que se aceitam e são felizes com sua orientação, porém, há muitas pessoas que apresentam comportamento homossexual, mas que não aceitam tal condição e nunca o farão. E os profissionais de psicologia não podem ignorá-los. A psicologia deve ser uma ferramenta de auxílio, tanto para os que se entendem e querem viver como homossexuais, como para os que não o desejam. Isso não significa patologizar o sujeito ou tratá-lo como doente.
Esse discurso do Conselho de Psicologia, de que a pessoa que procura ajuda o faz por causa da falta de aceitação familiar, da sociedade ou por imposição religiosa, é preconceituoso ao alienar e cercear direitos, negando a plasticidade do indivíduo e a capacidade de resiliência e ressignificação de si mesmo.
A resolução diz que um profissional não pode reforçar preconceitos sociais, mas na prática ela viola o direito à liberdade de expressão do profissional e do cidadão, dá margem para que seja interpretado como incitações preconceituosas todo o tipo de posicionamento público ou pessoal que venham contrariar o modo de vida homoafetivo. Infelizmente, tornamos-nos vítimas de uma norma que esconde interesses políticos. Não é a ciência que está em discussão, mas sim a política de classes.
 
por: Marisa Lobo
 
Guiame | Portal Padom

FILME EVANGÉLICO, as listras da zebra completo dublado}









Adultério – oito pecados!











O adultério é um ato terrível. Porque é um pecado praticado por duas pessoas não é possível escondê-lo por muito tempo dos olhares de terceiros. No adultério estão envolvidas oito violações do código moral de Deus.
O PRIMEIRO pecado é aquele praticado contra o próprio adúltero. Por outras palavras, és responsável por todas as conseqüências do teu acto e culpado diante de Deus até tudo ser confessado. Até ao dia em que fores perdoado picar-te-á com o seu aguilhão destruidor e na tua consciência sentar-se-á soberano a ditar pensamentos pecaminosos.
O SEGUNDO pecado é contra a tua própria mulher. O adultério é violação dos votos matrimoniais. É um embuste contra a tua esposa e um acto de traição contra outro ser humano que depositou confiança em ti. Também este pecado se apegará à tua consciência para destruir toda a intimidade que é característica importante entre duas pessoas que se amam. Porém o teu olhar se desviará do olhar da tua esposa porque a tua intimidade com ela foi destruída. Sabes que a atraiçoaste e desejas que ela jamais o descubra. Os adúlteros têm esta particularidade: evitam olhar nos olhos daqueles que ofenderam.
Vem depois o pecado número TRÊS: pecaste contra o marido da adúltera. O adúltero engana também outro homem, em muitos casos contra um amigo, um membro da família ou um colega de trabalho. Dali em diante o adultério torna-se um terrível obstáculo e um embaraço silencioso na tua personalidade que destrói intimidades de longos anos. Cravaste a faca da traição nas costas do teu melhor amigo, dum membro da tua família, e dali em diante a tua conduta é pretender que nada de errado existe. A isso também se chama pecado mas não o contarei nestes oito.
A seguir vem o pecado número QUATRO: pecaste contra a própria parceira do teu acto. Embora a mulher seja parte do teu pecado, foi a tua iniciativa que a provocou a pecar. No princípio de uma relação adúltera existe a oportunidade de escapar à série de conseqüências desastrosas que o acto irá provocar. Falta de discernimento nesse instante fatal leva ao pecado de adultério e arrasta contigo outro ser humano.
Vem depois o pecado número CINCO: pecaste contra os teus próprios filhos. Quando o acto é descoberto e exposto à luz resulta na destruição do equilíbrio familiar, na confiança dos filhos nos pais. Magoaste aqueles para quem eras um modelo moral, mesmo para outros familiares e amigos. Os conselhos que deste em matéria de fidelidade à vida familiar são lembrados. Os teus filhos olham agora para ti como um mentiroso, falso e traidor. O respeito que te tinham é destruído e em muitos casos o teu acto afectá-los-á psicológica, moral e espiritualmente. Danificaste o seu respeito pela vida e alguns cometem suicídio. Este pecado contra os teus filhos é extremamente grave pois despedaça a sua fibra moral e faz com que vejam a sociedade onde vivem um ambiente de corrupção e mentira. Em muitos casos destrói por completo a harmonia da vida familiar. Os teus próprios pais voltar-te-ão as costas pois não podem mais ter confiança nas tuas acções, especialmente se tiverem que sofrer parte das conseqüências do teu acto, como seja, tomar conta dos teus filhos em sofrimento.
Vem depois o pecado número SEIS: contra os teus próprios amigos. A confiança que tinham em ti desaparecerá. No seu lugar instalar-se-á a suspeita, o ressentimento e a vergonha da tua presença no seu meio. Se consideram o matrimônio sagrado, quando chegas eles pensarão: “atraiçoou a própria esposa, os filhos inocentes, parentes e a nós. Quem será a próxima vítima? Eis um homem adúltero.”
Vem a seguir o pecado número SETE: pecaste contra a sociedade. Sabes que para se viver numa sociedade equilibrada é importante respeitar o código moral bíblico. Isto é, fazer aos outros o que queres que te façam a ti (Mateus 7:12). Enquanto eras fiel à tua mulher não desejavas que ela adulterasse contra a tua pessoa. Casaste com ela dentro do princípio moral que todos nós temos que obedecer. O marido da mulher com quem adulteraste seguiu também o mesmo princípio. Nenhuma destas quatro pessoas iniciou a sua vida matrimonial com o objectivo preconcebido de um dia cometer adultério. O facto é que ninguém casa com o desejo de praticar tal acto. Assim, a sociedade em que vivemos é afectada pelo adultério e muito sofrimento é causado a espectadores inocentes.
Vem depois o pecado número OITO, o último mas não o menor: pecaste contra o próprio Deus. O matrimônio é uma união sagrada, no sentido em que é uma instituição ordenada por Deus na Bíblia. Por causa da dureza do coração do homem há certos casos justificáveis de divórcio, mas não existe no código divino uma única sentença para justificar o adultério. Está escrito: NÃO ADULTERARÁS (Êxodo 20:14). É um mandamento muito claro. Violar este mandamento é pecar abertamente contra Deus Omnipotente que ordenou o casamento e proibiu o adultério. As conseqüências desta desobediência são terríveis: INFERNO! A Bíblia nomeia nas suas páginas aqueles que não entrarão no reino de Deus e o adúltero faz parte da lista (1 Cor 6:10).
OITO PECADOS, com as suas desastrosas ramificações e conseqüências. Não é porém o pecado imperdoável. O adultério pode ser perdoado e o Senhor Jesus demonstrou-o perdoando uma mulher apanhada no próprio acto. Quando os religiosos daquele tempo a trouxeram aos pés de Jesus para ouvirem dos Seus lábios a confirmação do que estava escrito na lei quanto ao adultério, apedrejamento até à morte, o Senhor sem dizer uma palavra escreveu alguns nomes na areia do chão. Escreveu Ele os nomes de alguns daqueles líderes ou de membros das suas sinagogas que já tinham também cometido adultério?
A tragédia do adultério é evidenciada pelo facto das duas partes não se arrependerem juntas. Jesus perdoou a mulher adúltera mas onde se escondeu o homem que a levou a pecar? A agitação causada pelo adultério é como poderosa onda que avança e destrói. No caso do rei David destruiu uma nação. No caso de um homem anônimo causa injúria a muitas pessoas anônimas, esposa, filhos, parentes, amigos e até àqueles que ainda não nasceram. É um pecado perdoável mas deve ser confessado pelas duas partes cedo antes de se tornar a causa de conseqüências graves, a curto e longo prazo. Mas porque é que o homem e a mulher ofendem a Deus com o adultério? Por causa de desobediência. Deus diz NÃO ADULTERARÁS, porém a ordem é ignorada.
O princípio universal de conduta moral, isto é, que somos livres para escolher, mas depois somos responsáveis pelos resultados das nossas escolhas, é também aplicado ao adultério. O adúltero diz que o homem é dirigido por fortes emoções físicas impossíveis de controlar. Deus ordena que não cometas adultério. É uma poderosa ordenança. A tua escolha é obedecer a ordem divina ou obedecer as tuas emoções físicas. O resultado não pode ser escolhido. Governar a tua vida pelas tuas paixões internas é muito arriscado porque o pecado jaz à porta do teu coração (Gênesis 4:7).
O homem foi criado por Deus para apreciar e obedecer a Sua lei moral, mesmo em condições as mais primitivas. Escolhe o adultério mas não poderás alterar as suas desastrosas conseqüências. Se todos nós vivêssemos numa sociedade onde todos adulteravam uns contra os outros, a vida familiar não existiria porque todos praticavam a mentira, a desonestidade e a ofensa e a vida seria insuportável. Ninguém acreditaria no seu próximo e os filhos pagariam um preço terrível pelos nossos pecados. Deus puni-los-ia por causa do nosso pecado (Êxodo 20:5b). Nesse tipo de sociedade, onde toda a gente seria desleal e mentirosa, o amor e o bem não poderiam florescer. Significaria auto destruição como nos dias de Noé.
O adultério é terrível porque cria circunstâncias e conseqüências que não podem ser alteradas e magoa muitas vítimas inocentes. Qual é então a razão porque um homem comete adultério? Um homem está inclinado e disposto a infligir angústia e sofrimento à sua esposa, aos seus filhos e outros, e a violar importante princípio moral contra ele próprio simplesmente porque inclina o seu ouvido e obedece à sugestão do diabo (Provérbios 7:1-5; 23:27-28).
NÃO ADULTERARÁS. “Assim, o que adultera com uma mulher é falto de entendimento; aquele que faz isso destrói a sua alma. Achará castigo e vilipêndio, e o seu opróbrio nunca se apagará. Porque os ciúmes enfurecerão o marido; de maneira nenhuma perdoará no dia da vingança. Não aceitará nenhum resgate, nem se conformará por mais que aumentes os presentes.” Provérbios 6:32-35 (Almeida Corrigida Fiel)
por: Júlio Carrancho
Portal Padom

Pesquisa mostra crescimento do uso de redes sociais por pastores evangélicos







Uma pesquisa realizada pelo instituto norte americano “Grupo Barna” revelou recentemente o aumento do número de pastores evangélicos que utilizam redes sociais, como o Twitter e Facebook. Intitulado “The Rise of the Pastor”, o estudo mostrou que 23% dos pastores são usuários do Twitter, um aumento de 77% quando comparado aos números coletados 2011. Já o Facebook possui um número maior de adeptos, são 66% contra os 59% do período anterior.
Porém, a pesquisa mostra que tais líderes religiosos, e também as igrejas são resistentes ao uso de meios de comunicação, e acabam os utilizando apenas como um meio de transmitir anúncios, não aproveitando assim todo o potencial das ferramentas. Segundo a pesquisa, apenas 6% dos pastores usaram as redes sociais para que seus membros contribuam com perguntas sobre as pregações.
Entre as igrejas, 21% fazem uso do Twitter enquanto 70% usam o Facebook. A aceitação do uso dessas formas de mídia é maior entre igrejas com mais de 250 membros.
Outro dado levantado é o que os pastore jovens são os maiores adeptos às plataformas de mídia social. 39% dos pastores que as utilizam têm entre 29 e 47 anos, enquanto apenas 6% tem idade superior a 67 anos. No Facebook, o número de pastores mais novos conectados chega a 86%, na faixa etária entre 27 a 47.
No Brasil ainda não existem estudos realizados nesse seguimento. Porém, podemos claramente perceber o crescimento do uso das mídias sociais. Diversos pastores de denominações conhecidas já fazem um uso amplo das redes sociais. O pastor Silas Malafaia, da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, possui atualmente mais de meio milhão de seguidores no Twitter.
O uso das redes sociais é também presente entre pastores com grande projeção entre os jovens, como o pastor de jovens da Igreja Batista da Lagoinha (IBL), Lucinho Barreto, que possui atualmente mais de 230 mil seguidores.
A página oficial e principal da Bola de Neve reúne atualmente 199 mil pessoas. Já o apóstolo Rina, fundador da igreja, tem 135 mil seguidores em seu perfil. Movimentos jovens como o Eu Escolhi Esperar (EEE) são apreciados nas redes sociais, segundo o The Christian Post. O EEE tem hoje em sua página do Facebook números superiores a um milhão e 400 mil seguidores.
Por Dan Martins, para o Gospel+

Através do Facebook, cristão fazem “vigília virtual” pela situação política do país







O uso de redes sociais para organizar manifestações pela situação política do país inspirou também a organização de uma campanha de oração pelo país. Terminou nesse domingo (23) a campanha virtual “3 Dias de Oração pela Nação”. Organizada através de um evento no Facebook, a “vigília virtual” reuniu quase 100 mil cristãos em uma campanha de oração pelo país.
O evento “3 Dias de Oração pela Nação” convocou as pessoas a fazerem parte do clamor pela nossa nação – que teve início à meia noite do dia 21/6 e só terminou uma hora da manhã do dia 23/6.
Segundo noticiou a Igreja Batista da Lagoinha, o evento no Facebook, aliado à real situação do Brasil, motivou milhares de cristão a se organizarem em uma mobilização cuja “arma de guerra” é a mais eficaz: a oração.
Na página do evento, a campanha foi designada como uma “manifestação virtual onde estaremos todos juntos em uma só voz, clamando pela nação brasileira”.
Por Dan Martins, para o Gospel+

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.