Documentos liberados pela Arquidiocese de Chicago revelam anos de abusos sexuais cometidos por sacerdotes e a omissão da Igreja Católica





Na última semana a Arquidiocese de Chicago liberou ao público milhares de documentos recolhidos de seus arquivos que revelam uma longa história de abusos sexuais cometidos por padres, e também revela a omissão de bispos e outros líderes eclesiásticos diante dos casos.
Os documentos forma liberados na internet como parte de um acordo judicial, e lista casos de abuso cometidos por cerca de 30 sacerdotes da arquidiocese até o ano de 1996. Na maioria dos casos, os sacerdotes os sacerdotes envolvidos já faleceram ou foram expulsos do ministério. Porém, também na maioria dos casos as acusações nunca foram levadas a um tribunal criminal. Os documentos sugerem ainda que os oficiais da igreja eram, por vezes, bastante solícitos para com os padres acusados de abuso.
Após a publicação dos documentos, a Arquidiocese de Chicago publicou em seu site um comunicado pedindo desculpas novamente por abusos cometidos por padres.
- Nós vemos a informação incluída nesses documentos como preocupante. É doloroso ler. Não é a Igreja que conhecemos ou a Igreja que queremos ser – disse o comunicado.
Entre os casos revelados pelos documentos está o do Rev. William J. Cloutier, acusado de estuprar um menino de 13 anos em sua casa de verão, e que usou uma arma para ameaçar matá-lo se ele contasse ninguém; outro é o do reverendo Robert C. Becker, que levou um grupo de meninos para um trailer, onde, segundo eles, dormiu ao lado deles e molestou-os. Entre os muitos casos chocantes, está também o do Rev. Joseph R. Bennett acusado de estuprar uma menina com o cabo de uma patena, um prato usado para armazenar pão eucarístico.
Poucas horas depois da divulgação dos documentos, vítimas de abuso e seus advogados se reuniram no salão de um hotel no centro de Chicago, alinhados em frente a cartazes e uma tela de vídeo mostrando fotografias de padres acusados de abusar de menores. Ao lado de uma estante foram colocadas três caixas de papelão cheias de cópias dos arquivos.
O advogado Jeff Anderson, que tem representado inúmeras vítimas de abusos sexuais do clero em todo o país, disse que os documentos mostrava um “sistemático e contínuo padrão de décadas de escolhas conscientes por altos funcionários da arquidiocese”, e argumentou que os oficiais da igreja foram cúmplices no abuso quando não atuaram para remover os abusadores do ministério. Anderson afirma que a prioridade da Igreja foi “a proteção dos criminosos e da reputação da Arquidiocese”.
De acordo com o The Ney York Times, Arquidiocese de Chicago já pagou mais de US$ 100 milhões (cerca de R$ 236 milhões) em indenizações às vítimas de abusos sexuais nos últimos 25 anos, despesa essa que foi paga com a venda de propriedades e uma recente emissão de bônus.


Por Dan Martins, para o Gospel+

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.