Doze assassinos do casamento





Meu conselho para os jovens casais é simplesmente este: Não permitam a possibilidade do divórcio em seus pensamentos. Mesmo nos tempos de grande conflito e desânimo, o divórcio não é a solução. Ele apenas substitui uma nova série de sofrimentos para os que o aceitam.
inimigos-casamento-assassinoProteja a sua relação da erosão como se estivessem defendendo suas próprias vidas. Sim, vocês podem fazer juntos. Não apenas podem sobreviver, mas podem manter seu amor vivo se vocês derem prioridade em seu sistema de valores.
Qualquer um desses males pode destruir seu relacionamento se você dar-lhes lugar em suas vidas:
1. Excesso de trabalho ou compromissos e o esgotamento físico
Cuidado com esse perigo. É especialmente insidioso em jovens casais que estão tentando começar uma profissão ou ainda estão estudando. Não tente estudar, trabalhar em tempo integral, ter um bebê, cuidar de uma criança, fazer reparos na casa, começar um negócio ao mesmo tempo. Soa ridículo, mas muitos casais jovens fazem exatamente isso e, em seguida são surpreendidos quando o casamento se desfaz. Por que deveria ser assim? O único momento em que se vêem é quando estão esgotados! É especialmente perigoso quando o marido é o único que tem muitos compromissos ou trabalho, e a esposa passa o dia todo em casa, com um filho em idade pré-escolar. A profunda solidão dela dá lugar a insatisfação e depressão, e todos nós sabemos onde isso vai dar. O casal precisa urgentemente reservar um tempo para eles, se quiserem manter seu amor vivo.
2. Muitas dívidas e o conflito a respeito de como o dinheiro será gasto
Pagar em dinheiro os  itens de consumo, ou não comprá-los. Não gaste mais do que você pode, por uma casa ou um carro, deixando poucos recursos para saírem juntos, para viagens curtas, para pessoas que cuidam das crianças, etc. Distribua seus fundos com a sabedoria de Salomão.
3. O Egoísmo
Existem dois tipos de pessoas no mundo, aquelas que dão e aquelas que tomam. Um casamento entre duas pessoas que são doadoras pode ser uma coisa bonita. No entanto, o atrito é a ordem do dia, entre uma pessoa que dá e a outra toma. Mas duas pessoas que apenas tomam, podem ferir uma a outra até tornar-se uma grave ferida em apenas  seis semanas. Em suma, o egoísmo sempre devasta um casamento.
4. Interferência dos sogros
Se o marido ou a esposa não foi totalmente emancipado dos pais, é melhor não viver perto deles. A autonomia é algo difícil de ser concedido para algumas mães (e pais), e estar muito próximo vai causar problemas.
5. Expectativas irreais
Alguns casais entram no casamento esperando cabanas cobertas de rosas, uma vida sem preocupações ou responsabilidades e alegria ininterrupta. A conselheira Jean Lush acredita, e eu concordo com ela que essa ilusão romântica é particularmente característica das mulheres que esperam mais de seus maridos dos que eles são capazes de dar. A decepção resultante é uma armadilha emocional. Coloque suas expectativas em linha com a realidade.
6. Invasores do espaço
Eu não me refiro aos aliens de Marte. Pelo contrário, a minha preocupação é com aquelas pessoas que violam o espaço de seu cônjuge necessita, rapidamente ele sufoca e destrói a atração que existe entre eles. O ciúme é uma maneira em que esse fenômeno se manifesta. Outra é a baixa auto-estima, o que leva o cônjuge inseguro para interferir no território de outro. O amor deve ser livre e confiante.
7. O abuso de álcool e outras substâncias químicas
Estes são assassinos, não somente dos casamentos, mas também de pessoas. Procure evitá-los como uma peste mortal
8.  A pornografia, jogos de azar e outros vícios
Deveria ser óbvio para todos que a personalidade humana é falha. Tem uma tendência a ficar presa em comportamentos destrutivos, especialmente quando você é jovem. Durante uma fase inicial, as pessoas pensam que podem brincar com as tentações, tais como a pornografia ou jogos de azar sem sair danificado. Na verdade, muitos se afastam quase sem ser afetado. No entanto, para alguns existe uma fraqueza e uma vulnerabilidade que é desconhecida até que seja tarde demais. Então, se encontram viciado em algo que rasga o tecido da família.
Talvez esta advertência lhes pareça bobagem e até pode escandalizar os meus leitores, mas eu fiz um estudo de vinte anos sobre as pessoas que arruinaram suas vidas. Seus problemas começam freqüentemente ao experimentar algo desconhecido, que finalmente terminou com a morte física ou a morte de casamento. As restrições e os mandamentos das Escrituras são projetados para proteger-nos do mal, embora seja difícil de acreditar quando somos jovens. “O salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23). Se mantivermos nossa vida limpa e não nos permitirmos jogar com o mal, os vícios que têm devastado a humanidade nunca será capaz de nos tocar .
9. A frustração sexual, a solidão, a baixa auto-estima e a quimera de infidelidade
Uma combinação mortal!
10. Fracasso nos negócios
Em particular, fracasso nos negócios afetam negativamente os homens. Seu interesse por reveses financeiros, por vezes, mostra com irá e raiva dentro do seio familiar.
11. Sucesso nos negócios
É quase tão perigoso ser muito bem sucedido no mundo dos negócios, como ter fracassado neles. O escritor de Provérbios disse: “Não me dês a pobreza nem a riqueza; manter-me o pão necessário” (30:8).
12. Casar-se muito jovem
As meninas que se casam entre quatorze e dezessete anos de idade são duas vezes mais propensas ao divórcio do que aqueles que se casam aos dezoito e dezenove anos. Aqueles que se casam entre dezoito e dezenove anos são uma vez e meia mais propensas ao divórcio do que aqueles que se casam em seus vinte e trinta anos.
As pressões da adolescência e as tensões dos primeiros anos de vida de casado não fazem uma boa dupla. Termine o primeiro antes de começar o segundo.
Conclusão
Estes são os assassinos do casamento que eu tenho visto com mais freqüência. Mas, na verdade, a lista é praticamente interminável. Tudo que é necessário para que cresça mais fortes as ervas ruins é uma pequena rachadura na calçada. Aqueles que querem superar a lei das probabilidades relativas ao divórcio e manter à união matrimonial estreita a longo prazo, deve levar a tarefa a sério . A ordem natural das coisas e deixá-los longe um do outro e não uni-los.
Como superar a lei das probabilidades? Como formar uma relação consistente para durar até que a morte vos faça empreender a última viagem? Como você se inclui entre o número cada vez mais reduzido de casais de maior idade que tem colhido toda uma vida de recordações e experiências felizes? Mesmo depois de cinqüenta ou sessenta anos de casamento, todavia ainda se buscam mutuamente dar incentivo e compreensão.  Seus filhos cresceram em um ambiente estável, amoroso, e não terão cicatrizes emocionais ou lembranças amargas para apagar. E os seus netos não terão que explicar delicadamente por que “os avós já não vivem juntos”. Só o amor prevalece.
É assim que Deus queria que fosse, e ainda é algo que pode ser alcançado. Mas não há tempo a perder. Reforcem as margens do rio. Defendam o forte. Traga as dragas e tornam mais profundo o leito do rio. Mantenha as poderosas correntes em seus próprios canais. Somente essa medida de determinação vai manterá o amor que começaram, e há muito pouco na vida que compete com essa prioridade.
por: Dr. James C. Dobson, Ph.D.
Traduzido e adaptado por Portal Padom
Portal Padom

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.