Deus e deuses Por Maya Felix





Ontem à noite resolvi entrar em um site de horóscopo, desses que fazem, automaticamente, o mapa astral do internauta – basta fornecer a data do nascimento, o horário e o local. Muito do que foi revelado ali realmente tem a ver comigo, minha personalidade, meus gostos. Já vinha pensando nisso há um tempo e resolvi, então, escrever este texto. Alguém já se perguntou, seriamente, por que tantas pessoas recorrem a horóscopos, adoração de anjos, espíritos de mortos, entidades de religiões politeístas, cristais, I-Ching, tarô, leitura de mão, adivinhos e toda sorte de esoterismos? A resposta parece fácil à primeira vista, mas não é tão simples.
Primeiro (e as opiniões que vou agora expor são exclusivamente minhas, resultado de observação e reflexão), não creio que os recursos que citei acima sejam de todo ineficazes. Se fossem, por óbvio ninguém seria adepto de nenhum deles, e sabemos que todos os dias mais e mais pessoas se voltam para práticas esotéricas. Há uma parte de satisfação no que é buscado, mas a pergunta central não é se essas práticas “funcionam”: é como e para quem elas funcionam.
Mais uma vez a resposta parece fácil, mas não é. Alguém que acredita em seu “mapa astral”, por exemplo, vê que muito do que é descrito ali de fato tem a ver com o que é, com sua personalidade e seus gostos. Da mesma maneira acontece com o horóscopo chinês, o tarô, a quiromancia, a necromancia. Pessoas que frequentam ou já frequentaram um centro espírita afirmam já terem passado pela experiência de falar com o espírito de alguém que já morreu. Adeptos do candomblé oferecem presentes às entidades espirituais de sua preferência e veem, mais de uma vez, seus pedidos atendidos – de proteção, de riqueza, de amor, de sucesso. Que resposta os cristãos têm para isso? Que tudo é uma grande mentira do Diabo que não tem como dar certo? Seria o ser humano tão estúpido e o Diabo tão sagaz? Sim, o ser humano é estúpido e o Diabo é sagaz, mas entre essas duas afirmações há mais coisas.
O que vou dizer agora é polêmico, mas preciso colocar esta questão: no primeiro livro de Samuel, capítulo 28, há a narrativa de Saul, então rei de Israel, consultando uma pitonisa (também chamada de “mulher com espírito de feiticeira”, no texto). As pitonisas eram adivinhas que na mitologia grega serviam a Apolo, o deus da adivinhação. Saul recorre a uma pitonisa a fim de ter contato com o espírito do profeta Samuel, que já havia morrido. Como Saul havia perguntado a Deus sobre seu futuro e o de Israel, mas Deus não lhe havia dito nada, resolveu recorrer a outros meios a fim de conhecer as coisas que estavam por vir.
Na narrativa bíblica, o espírito de Samuel fala a Saul do sentimento de insatisfação de Deus para com ele e faz previsões (que não se cumprem por inteiro). A Bíblia não diz que o espírito não era de Samuel: essa é uma conclusão de teólogos cristãos. No versículo 15, o espírito diz a Saul: “Por que me inquietaste, fazendo-me subir?” Isso deixa subentendido que o espírito de Samuel repousava em algum lugar espiritual abaixo da terra.
A Bíblia de Estudo Pentecostal, que tenho, afirma em nota que “os médiuns espíritas não entram, realmente, em contato com os espíritos dos mortos, mas, com espíritos demoníacos enganadores”. Antes que alguém me acuse de defender a doutrina espírita, que usa o capítulo 28 de I Samuel para justificar a possibilidade de contato dos vivos com os espíritos dos mortos e a reencarnação (coisa injusta, tendo em vista que o capítulo em questão nada diz sobre reencarnação), peço que entendam que lendo a Bíblia sem a explicação teológica católica ou protestante, parece-me evidente o porquê de tantos afirmarem ser possível a comunicação com os espíritos dos mortos: o narrador do texto afirma que aquele espírito era de Samuel, e o faz sem nenhum “porém”.
Mas o centro dessa questão, para mim, não é o fato de ser aquele espírito de Samuel ou não. O que é grave, mesmo, é que a prática de consulta a espíritos, falsos ou “verdadeiros”, é chamada por Deus de abominação. Em Deuteronômio 18:9-13, isso fica claro: “Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daquelas nações. Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor; e por estas abominações o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti. Perfeito serás, como o Senhor teu Deus.
Deus diz claramente que tais práticas são abomináveis, mas não diz que elas não existem nem que são ineficazes do ponto de vista do objetivo de quem as adota. Quem ama a Deus escolhe abdicar de tais práticas por amor e obediência (pois Deus abomina tais práticas), não porque elas sejam totalmente ineficazes: a alguns continuam a trazer riqueza material e sucesso profissional, entre outras coisas.
Chegamos aqui a mais um ponto polêmico. Tudo o que há foi criado por Deus: a pitonisa, os vivos, os que morrem, os espíritos e mesmo o anjo de luz decaído que se tornou inimigo de Deus e da criação divina. Tudo o que há foi criado por Deus. Os homens escolhem pecar ou não, mas todo homem foi criado por Deus. Há um só Criador, mas há muitas criaturas. O que há de abominável, para Deus, em se cultuar outros deuses, horóscopos, técnicas esotéricas chinesas etc.? É abominável que o ser humano deixe de render culto ao Criador e passe a venerar as criaturas que Ele formou.
Os planetas e as estrelas do sistema solar, alinhados em determinada posição, foram criados por Deus. Haveria um fundo de verdade nas determinações dos horóscopos? Creio que sim, do contrário ninguém jamais buscaria por isso. Os espíritos que formam as teogonias politeístas, das religiões de origem africana e do hinduísmo, entre tantas outras, foram inspirados em fenômenos da natureza e histórias de acontecimentos sobrenaturais.
Nesse sentido, encontram no próprio ser humano muito do lastro de sua identidade, o que é bem fácil de se perceber na mitologia da religião politeísta da antiga Grécia, com deuses e semideuses criados “à imagem e semelhança do homem”. O Diabo, esse que anteriormente era um anjo, não trabalha com mentiras de modo maniqueísta e simplório: o que ele faz muito bem é manipular verdades, distorcê-las, atribuir a elas, sutilmente, um significado distinto do que têm.
Enquanto o ser humano se volta para o que Deus criou a fim de render culto e satisfazer suas expectativas, é ele que continua no centro de tudo: são suas vontades que devem ser satisfeitas, é o seu ego que é alimentado. Além disso, a maioria das práticas opera com determinismos insustentáveis diante de Deus. O horóscopo diz que as pessoas do meu signo são possessivas e ciumentas. Isso determina o ser humano! Outro signo vai dizer que quem nasce em determinada data é preguiçoso, outros são perfeccionistas e vingativos e por aí vai. A quantidade de determinismos é imensa. Certos ou errados? Certos ou não, o centro novamente não é esse.
O que Deus diz ao homem é que com Ele não há determinismos. Vemos isso o tempo todo, na Bíblia e fora dela. Paulo, cidadão romano, judeu zeloso da Lei, odiava cristãos. Seguiria matando os que lhe aparecessem pela frente, mas Deus quebrou esse círculo vicioso. Pedro era covarde. Parecia corajoso, mas negou Jesus três vezes ao se sentir ameaçado. A tendência é que seguisse nessa linha, mas Deus mudou isso. Rodolfo Abrantes, roqueiro no auge da fama, ganhando muito dinheiro, se matando lentamente, usando todas as drogas imagináveis e cercado de luxo, pela lógica humana deveria ter seguido assim. Mas Deus entrou na vida dele.
Pelos lugares onde Cristo passou Ele mostrou que quem determina o presente e o futuro é Ele: doentes, incrédulos, assassinos, corruptos, prostitutas, todos foram profundamente transformados assim que deram espaço ao Criador. Para Deus não há o “eu nasci assim”, o “eu sou assim”: com Ele é “EU faço como EU quero, porque EU SOU”.
Um dos aspectos degradantes de todas as práticas esotéricas que já citei é esse determinismo pobre a que condenam o homem: segundo o espiritismo, é preciso reencarnar várias vezes a fim de chegar não ao céu, junto ao Senhor amoroso que nos acolherá, mas ao que os espíritas kardecistas chamam de “espaço universal”, no qual não haverá mais problemas. O horóscopo faz de você um conjunto de qualidades e defeitos intrínsecos a sua pessoa, e é convivendo com esses defeitos e essas qualidades que sua perspectiva de vida deve ser construída. Mas Deus diz que não: Ele faz novas TODAS AS COISAS. O homem velho morre, e em seu lugar nasce o homem novo, o verdadeiro, esse que o pecado e o mal teimam em ofuscar e encobrir.
Quando Deus quebra os determinismos, o homem e seus desejos são recolocados em seus devidos lugares: submissos à vontade de Deus. Por isso C. S. Lewis diz, em O Problema do Sofrimento, que nós somos rebeldes que precisam depor as armas. Enquanto insistirmos em nos colocar no centro de nossas vidas, estaremos em guerra com Deus. O homem, como centro de si mesmo, com seus desejos, vontades, erros e natureza decaída, não pode ser conduzido a nada além da miséria espiritual. Insistimos em que nossa pobre vontade humana seja satisfeita, enquanto Deus quer nos dar acesso a um mundo sem vendas, sem sombras, sem ilusões. Muitos, negando a Deus o mínimo espaço em suas vidas, cobram dele os porquês de seus sofrimentos mas não conseguem ver em suas próprias escolhas a origem de seus males.
Devo esclarecer que, ao contrário do que muitos pensam, o homem não deixa de sofrer quando faz de Deus o centro de sua vida e escolhe sacrificar seu ego em prol da vontade de Deus: eis aí uma das grandes diferenças entre Deus no centro vs deuses no centro. Deus não nos poupa do sofrimento se ele pode nos fazer melhorar. Os cristãos sofrem, mas têm fé de que a paciência produzida levará a uma esperança que não confunde, mas esclarece e edifica. Os não cristãos sofrem, mas sem entender por que sofrem, sem conseguir encontrar a Deus nesse sofrimento, debatendo-se dolorosamente, resignando-se bovinamente ou recorrendo a deuses que os aliviem de seus tormentos. Sofrem esperando que seus recursos espirituais, em um terreiro de candomblé ou em uma mesa de vidente, os livrem do sofrimento a fim de que seus desejos continuem sempre no centro de tudo. Sofrem compreendendo que deve ser assim porque nasceram predestinados a serem desta ou daquela maneira – assim lhes diz o horóscopo, chinês ou não. Há um abismo entre o sofrimento que se passa com Deus e o sofrimento vivido sem Ele.
A escolha do cristão, de colocar Deus no centro de sua vontade e diminuir seu ego, aparentemente não o leva, neste mundo, a uma vida muito diferente da que tem o não cristão: a chuva cai sobre justos e injustos, o sol brilha para todos. A diferença está no coração do homem. O coração do cristão deve ter Cristo no centro: é Ele a razão da existência, aquele por quem tudo é feito, em quem tudo se cumpre. Para o cristão, Jesus cumpriu o ato de morte ao qual todos deveriam se submeter, pois todos, sem exceção, são defeituosos de nascença, espiritualmente tortos, e no mundo espiritual todo mal deve ser compensado – isso se chama Justiça. Jesus é mais que um “mestre”, Ele é o sacrifício feito para que tudo o que sou encontre justificativa para continuar a existir diante da Perfeição (que não tenho em mim mesma nem jamais terei por meus meios e obras). Para os esotéricos, espíritas, islâmicos e judeus, o homem em si mesmo pode cumprir atos que o justificam: ele deve cumprir a Lei.
Deve reencarnar e fazer o bem. Deve oferecer presentes para os deuses. O homem deve se justificar, fazer justiça em prol de sua própria salvação. O ladrão ao lado de Cristo, no Calvário, ao reconhecer no homem crucificado o Filho de Deus teve sua sentença de morte eterna imediatamente revogada: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso”. Ninguém consegue fazer justiça a si mesmo.
Enquanto o homem insistir em fazer sua vontade e se colocar no centro de sua própria vida, é sua natureza humana que prevalecerá. Suas práticas podem lhe trazer bens, conforto, proteção, compreensão filosófica, informação, conhecimento científico e artístico. Mas jamais lhe trarão um espírito novo, para o qual quem deve estar no centro é Deus, é a vontade de Deus, é o que Ele quer e não o que o ser humano quer, ainda que muitas vezes nossa vontade esteja em consonância com a vontade de Deus. Deus ouve as orações de seus filhos, mas não satisfaz todas as suas vontades: sabe quão míope é o homem e o quanto pode estar distante dele.
Bom, então se pode pensar que Deus é um ser egoísta, que exige que todo tipo de atenção e expectativa se volte para Ele. Mas as coisas são bem mais complexas. Enquanto o homem satisfizer seus desejos, seus caprichos e vontades, por melhor que lhe pareçam, permanecerá preso a si mesmo, a sua pobre condição humana, a sua pequena vida material, a valores limitados e limitantes (por mais genial que cada ser humano ache que é). O voo alto e sublime acontece quando os desejos de Deus para a vida do homem começam a acontecer. É a vontade do Criador que muda tudo de lugar, quebra os determinismos, faz o homem enxergar mais que as sombras de sua caverna egoísta e pequena.
A vontade de Deus, ao se cumprir, por mais dolorosa que pareça ser é o que faz com que o pobre ser humano enxergue a verdade, pois ele passa a ver o mundo sob a perspectiva do Criador, não mais de alguma criatura qualquer. E quanto mais o homem se submete a Deus, mais desejo tem de se submeter, pois vê como isso é bom e perfeito. O centro da vida do homem jamais deve ser a criatura feita por Deus, mas apenas Ele mesmo, o próprio Criador de todas as coisas.
Para que o centro seja Deus, o ser humano deve morrer para si mesmo, aceitando que seu ego será diminuído, que suas ideias de que é bom serão terrivelmente contrariadas, de que ele poderá, enfim, ver-se como é: só, pequeno, carente da graça e do amor de Deus, falho, defeituoso, com surtos de grandeza, delírios de genialidade, iludido. E é esta verdade a mais incômoda e inadmissível para cada ser humano.
* As opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores
e não refletem, necessariamente, a opinião do Gospel Prime.



Autor(a)

Maya Felix

Maya Felix

Maya Felix nasceu em São Luis, Maranhão. É Doutora em Letras-Linguística pela Universidade Federal Fluminense e pela Université de Nanterre Paris Ouest la Défense, França. Apesar de sua família ser de tradição evangélica Batista, converteu-se ao cristianismo em 1992, aos 21 anos. Atualmente é professora do Departamento de Letras da Universidade Estadual do Maranhão em São Luis. Seus textos relacionam o cristianismo à política, à cultura e à vida em sociedade em geral.

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.