Para controlar crescimento de evangélicos, China estuda criar sua própria versão da teologia cristã







Em meio a uma onda de perseguição contra os cristãos protestantes, incluindo a demolição de templos, a China anunciou que pretende criar sua própria teologia cristã.
A pedido do governo, a doutrina chinesa deveria atender a princípios básicos da ideologia política que é imposta pelas autoridades: “A construção da teologia cristã chinesa tem que se adaptar às condições nacionais e integrar a cultura chinesa”, disse o líder da Administração de Estado para os Assuntos Religiosos, Wang Zuo’an.
Atualmente, há entre 23 e 40 milhões de cristãos protestantes no país. O número é impreciso por conta da dimensão da China e da dificuldade que os fiéis enfrentam para driblar as restrições impostas pelo governo.
O número de novos cristãos cresce a uma taxa de 500 mil todos os anos, de acordo com o jornal China Daily. Esse é o número de batismos realizados pelas igrejas protestantes no país.
“Nas últimas décadas, as igrejas protestantes chinesas se desenvolveram muito rapidamente, com a adoção de políticas religiosas nacionais”, afirmou Wang, lembrando que todas as práticas religiosas no país são controladas de forma muito intensa pelo Partido Comunista, que declara o Estado chinês como ateu.
A estratégia do governo de criar uma teologia chinesa seria uma demonstração de receio por parte das autoridades que o cristianismo ganhe força no país e se torne um movimento de subversão política.
É comum a imprensa internacional noticiar que as forças de segurança reprimiram e dissolveram igrejas não autorizadas, que prosperaram fora das organizações oficiais.
Este ano, o caso da igreja protestante em Wenzhou que foi demolida a mando da prefeitura local, que considerou a edificação ilegal e de dimensões excessivas, causou grande comoção no meio cristão internacional.

Católicos

Segundo a agência France Presse, os católicos chineses não são inclusos no número mencionado acima. Na China, a Igreja Católica oficial rejeita a autoridade do papa.
Os fiéis da denominação católica controlada pelo governo só possuem permissão para se reunir em templos certificados e vigiados. Assim como os protestantes, muitos fiéis católicos se juntaram em uma denominação clandestina, que se mantém leal ao Vaticano. Juntos, os dois grupos católicos somariam 12 milhões de chineses.


 Publicado por Tiago Chagas em 8 de agosto de 2014

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.