A vida simples destrói o falso deus Inicialmente, o homem comercializava por simples troca. Por exemplo, quem pescava mais peixe para si, trocava esse excesso com outra...




Inicialmente, o homem comercializava por simples troca. Por exemplo, quem pescava mais peixe para si, trocava esse excesso com outra pessoa que tivesse plantado e colhido mais milho do que fosse precisar. Perceba que o dinheiro surge por conta de uma necessidade humana. Ele é objeto, é “coisa”. Já foi grão, fruta, pedra, ouro, cédulas de papel e agora, número digital. O problema nunca é o “objeto” dinheiro, mas tornar esse objeto potestade do mal. A faca é um objeto, o homem pode usá-la para cortar uma laranja ou, usá-la para matar uma pessoa. O problema não está no objeto, mas como o homem utiliza esse objeto.
Na parábola do Jovem rico (Cf. Lucas 18: 18 a 25), o jovem queria o benefício da vida eterna, mas não estava disposto a dar suas riquezas para seguir a Cristo. Quando o objeto se torna um deus, é impossível servir ao Senhor. Não é atoa que Jesus ensina como é difícil um rico entrar no reino dos céus. O dinheiro corrompe, nos domina, toma nossa alma, nos torna corrupto, nos faz cair. É fácil exemplificar isso assistindo os noticiários e vendo quanta corrupção existe, seja na política, no futebol ou em qualquer lugar que o dinheiro é a razão da vida humana. Até muitas denominações evangélicas estão na mesma onda, querem reformar e expandir seus super-templos, na busca de ter a maior ou melhor “casa de Deus”, ou quem sabe, tornar-se o templo de Salomão! Quanta hipocrisia! Isso é prova de como o dinheiro nos domina. Ele é astuto, tem até alma, a nossa. Não é atoa que Judas traiu Jesus por moedas. Em nosso mundo capitalista, como nossos sonhos serão realizados sem o dinheiro? Como ser feliz se não comprar e cada vez comprar mais? Afinal, vivemos para ter dinheiro ou temos dinheiro para viver?
Os números dizem que 10 mil pessoas morrem de fome todo o dia no mundo. 800 milhões de pessoas estão em pobreza absoluta. Isso torna inviável outro estilo de vida que não seja uma vida simples. O artigo de hoje nos traz um convite: “Vamos viver de forma simples?”
Ter uma vida simples não significa ser rico ou pobre, ser funcionário ou patrão, nem ser doméstico ou empresário. Uma vida simples vai muito além de quantidade de bens. Jesus disse sobre o assunto:“Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo o tipo de ganância; a vida de um homem não constitui na quantidade do seus bens” (Lucas 12: 15). Não é os bens que define o homem. Não é ser rico ou pobre, mas é a intenção do seu coração.
Aceitar uma vida simples mesmo tendo muito, não é loucura, mas é fugir do mal. O cristianismo puro, é simples. O cristão pobre, é simples. O cristão rico, é simples. Uma vida simples deve estar enraizada dentro de nosso coração, pois é difícil obter a vida eterna “brincando” com as riquezas. O dinheiro quer ser um deus em nossa vida, deseja se chamar Mamon. Nós, com um estilo de vida simples, destruímos esse falso deus.
Você que tem pouco, continue a batalhar para suprir as suas necessidades e agradeça a Deus pelo pão de cada dia. Você que tem muito, cuidado com as riquezas! Tenha um coração piedoso, doe, ajude quem necessita, não se torne escravo do dinheiro, mas faça dele um servo para o bem.
“Seríamos sábios se viajássemos com pouca carga. Nada levaremos conosco” (John Stott).
* As opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva 
responsabilidade dos respectivos autores e não refletem, necessariamente, a opinião do Gospel Prime.

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.