A Oração do Pai Nosso - Paulo Junior

REFLEXÃO DIA 11/06/2016






Versículo em Destaque

 

Todavia, como está escrito:
"Olho nenhum viu,
ouvido nenhum ouviu,
mente nenhuma imaginou
o que Deus preparou
para aqueles que o amam"; 


Da mesma forma o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar, mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis.



Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; 


Um Chamado ao Quebrantamento - Paulo Junior

Versículos de Perdão





O perdão é uma das coisas mais libertadoras que alguém pode fazer. A falta de perdão é como uma pedra amarrada na perna de alguém, que a arrasta para o fundo do mar.
Se Deus perdoou os nossos pecados e se nós queremos ser parecidos com Deus, que motivos podemos ter para não perdoar alguém?
Se nós perdoarmos, receberemos perdão, essa é uma verdade que nos deve motivar. Se realmente compreendemos o que Jesus fez na cruz, o perdão deve fluir no nosso coração.

Perdão na Bíblia

Versículos do Dia 08/06/2016





Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos". Atos dos Apóstolos 4:12



Consequentemente, a fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo. Romanos 10:17


 Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim. Gálatas 2:20

Orientações aos que Não forem Arrebatados

Apesar da perseguição, muçulmanos têm se convertido ao Evangelho na Arábia Saudita Publicado por Tiago Chagas em 6 de junho de


Imagens apenas ilustrativas.


Embora a Arábia Saudita seja um país predominantemente muçulmano e hostil aos cristãos, muitas pessoas estão se convertendo ao cristianismo e recebendo apoio para sua fé através da internet.
Atualmente, de acordo com levantamentos de agências missionárias feitos a partir de dados do governo, existem 1,4 milhão de cristãos no país, o que representa 4,4% da população da Arábia Saudita.
No entanto, há 100 anos, esse número era muito menor, e os cristãos somavam apenas 0,1% da população da Arábia Saudita, que adota o islamismo como religião oficial do Estado. Quem rejeita ser seguidor de Maomé – seja ateu, cristão ou adepto de outras religiões – sofre perseguição severa.
A Missão Portas Abertas considera a Arábia Saudita como o 14º pior país para um cristão viver, de uma lista de 50 nações onde há forte perseguição religiosa.
Segundo o Christian Headlines, a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional afirma que a Arábia Saudita “permanece exclusivamente repressiva na medida em que restringe a expressão pública de qualquer outra religião que não o Islã”.
Mesmo com estes obstáculos à fé, o número de pessoas optando por colocar sua fé em Cristo está aumentando. Alguns cristãos convertidos, como Mohammed (cujo nome foi alterado por razões de segurança) – que aprendeu sobre Cristo no campo de discipulado online da Portas Abertas e professou a fé em Cristo -, são batizados e agora são fortalecidos em sua fé através de recursos online.
Na esfera internacional, grupos defensores dos Direitos Humanos estão pressionando os Estados Unidos e o Reino Unido para enfrentar a Arábia Saudita n

Versículos do Dia






Todavia estou de contínuo contigo; tu me sustentaste pela minha mão direita.
Salmos 73:23



Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai.
Eu e o Pai somos um.
João 10:29,30

A luta de Muhammad Ali em favor do islamismo





Julio Severo
Em seus meses finais, Muhammad Ali, que morreu na sexta-feira aos 74 anos, estava promovendo o islamismo, a religião que ele adotou na década de 1960.

Em dezembro, a lenda do boxe divulgou uma declaração criticando a proposta do candidato presidencial republicano Donald Trump de banir os muçulmanos de entrar nos Estados Unidos. Ali convocou correligionários muçulmanos a “enfrentarem os que usam o islamismo para avançar sua própria agenda pessoal.”
“Os muçulmanos fariam muito bem em considerar os desafios que muçulmanos como Malcolm X e Muhammad Ali tiveram de lidar,” disse Dawud Walid, diretor-executivo da filial no Michigan do Conselho de Relações Americano-Islâmicas.
Walid, que conduziu rezas por Ali no domingo numa mesquita de Detroit que Ali costumava visitar, recorda como criança na década de 1970 que ele recebeu um boneco de Ali, que levou à sua eventual conversão ao islamismo.
Ali, que era de origem batista, renunciou ao Cristianismo aos 22 anos para se tornar o mais famoso convertido ao islamismo na história dos EUA quando ele anunciou que havia se juntado ao movimento islâmico negro sob a orientação de Malcolm X logo depois que ele se tornou campeão pela primeira vez. Ele acabou rejeitando seu nome “branco,” Cassius Clay, que ele considerava um “nome de escravo,” e usou em vez disso o nome “Muhammad Ali,” conferido a ele por Elijah Muhammad, fundador da Nação do Islã.

Sua rejeição do Cristianismo como religião de escravidão e sua adoção do islamismo como religião de libertação foi absurdo total. De acordo comMike Konrad, o islamismo é historicamente campeão de escravidão, especialmente de africanos. O que poderia explicar o absurdo de Ali abraçar uma religião de escravidão e terrorismo? De acordo com a Reuters, o Exército dos EUA rejeitou Ali duas vezes para o serviço militar depois de medir seu QI em apenas 78. Esses testes enfureceram Ali, que por sua vez enfureceu muitos americanos patriotas quando por amor a suas crenças islâmicas ele recusou lutar contra o comunismo no Vietnã. Mesmo com sua conduta islâmica antipatriótica, em 2005 ele foi condecorado com a Medalha Presidencial da Liberdade pelo presidente americano conservador George W. Bush.
O surgimento de Ali coincidiu com o movimento de direitos civis nos EUA e a imagem pessoal dele ofereceu aos jovens negros uma paixão radical islâmica que eles não obtinham do pastor evangélico Martin Luther King.
Ali com um cartaz na década de 1960 dizendo: Alá é o maior

Como muitos negros americanos, a primeira experiência de Ali com o islamismo foi por meio da Nação do Islã, o movimento nacionalista negro extremista, iniciado em Detroit, que defendia uma espécie de violenta Teologia Islâmica da Libertação Negra.
“Eu sou os EUA. Eu sou a parte que vocês não reconhecerão,” Ali disse. “Mas se acostumem comigo… com minha religião, não a de vocês.”
Decisivo para sua propaganda islâmica foi a hegemonia cultural americana, que torna qualquer fama e propaganda mundial. Sem ela, ele mal teria sido, equivocadamente, o maior atleta do século — a serviço do islamismo. Essa hegemonia tem sido uma plataforma eficaz para a expansão islâmica.
No passado, essa hegemonia funcionava de modo positivo para a expansão do Cristianismo — os EUA eram o maior campeão de missões protestantes do mundo. Mas com a crescente decadência moral dos EUA e uma redução dramática do evangelicalismo conservador (os EUA passaram de uma população 98% protestantes no final do século XVIII para menos de 50% hoje), funciona agora para qualquer ideologia, inclusive o islamismo.
Uma das mensagens finais de Ali foi defendendo o islamismo. Os comentários de Trump, disse Ali, “alienam muitos de aprender sobre o islamismo.”
Ele morreu com a idade de 74 anos depois de sofrer por mais de três décadas com a doença de Parkinson, que está ligada a traumas na cabeça por causa da carreira de boxe dele. Essa doença roubou a força física dele e matou sua loquacidade.
Com informações da Associated Press, revista Charisma e Reuters.
Versão em inglês deste artigo: Muhammad Ali’s Fight for Islam

Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.